Todos os horários

O maior salar do mundo, a 3.700 metros de altura

O salar de Uyuni, na Bolívia (também conhecido como salar de Tunupa), está localizado a quase 3.700 metros acima do nível do mar, e é o maior salar continuo do mundo: são 10 bilhões de toneladas de sal em 12 mil quilômetros quadrados. Viajar por esse deserto branco e árido, repleto de miragens provocadas pelas inundações, é como atravessar um cenário de sonhos; mas esses sonhos podem ser realizados bastando simplesmente alugar um carro ou contratar uma excursão no povoado de Uyuni. A excursão pode durar entre um e três dias, e suas surpresas começam apenas três quilômetros depois de ter deixado o povoado para trás, com um cemitério de trens abandonados. São dezenas de vagões e locomotivas a vapor, que serviram, no fim do século XIX e início do XX, para o traslado de minerais, e que hoje oferecem um cenário exótico e comovente. Em seguida aparece o povoado de Colchani, “A Porta do Salar”, onde se cultiva a quinoa (o superalimento que foi a base da dieta dos incas), criam-se lhamas e onde funciona a cooperativa que extrai o sal e elabora o sal iodado. Essa parada é indispensável para comprar lembranças feitas com sal e conhecer a cultura e as pessoas que se dedicam ao trabalho no deserto branco. Mais adiante atravessa-se o Ballivian, um lago repleto de sal há milhões de anos. A viagem se enriquece com a visita ao insólito hotel Playa Blanca, todo construído com sal, e continua com a Isla del Pescado, uma formação rochosa em forma de peixe de onde brotam altíssimos cactos. Se o viajante tiver tempo, pode seguir rumo ao Altiplano, para conhecer a Reserva Nacional de Fauna Andina Eduardo Abaroa, visitar o mirante do Vulcão Ollagüe, a árvore de Pedra, e belas lagoas como a Hedionda, a Chiar Kkota, a Honda e a Colorada. No terceiro dia de viagem é possível conhecer os gêiseres Sol de Mañana, as águas termais, o Salar de Chalviri, Vale de Dalí, Laguna Verde e o Vulcão Licancabur. Na volta ao povoado, ainda pode-se passar pelo Valle de las Rocas, Villamar e Culpina e San Cristóbal. Além da extraordinária beleza da paisagem, esse hipnótico lugar do mundo abriga a principal reserva mundial de lítio (metal usado para a construção de naves espaciais, submarinos e baterias de todo tipo, por exemplo), o que implica em um grande risco e um enorme desafio: explorar sua riqueza econômica, que permite a sobrevivência digna dos habitantes da região, sem esgotá-la, e sem destruir a beleza ancestral do lugar.