Todos os horários
ARQUEOLOGÍA

Polícia desvenda assassinato cometido há 5.300 anos

O corpo mumificado de um homem que havia morrido há 5.300 anos foi encontrado nos Alpes de Venoste, ente a Itália e Áustria, em 1991.

Desde então, a ciência vem desvendando vários mistérios que envolvem a múmia. Entre as descobertas, está o fato de que o homem, apelidado de Otzi (em referência ao nome dos alpes em alemão, Ötztal), foi assassinado. As causas da morte só seriam inteiramente compreendidas milênios depois, com a ajuda de um investigador de polícia.

Quando dois alpinistas encontraram o corpo, no início dos anos 90, eles a princípio pensaram que Otzi tivesse sido vítima de um acidente durante alguma escalada. Eles chamaram a polícia, que constatou que na verdade se tratava de uma descoberta arqueológica: era uma múmia ancestral. O Museu Arqueológico de Tirol do Sul, na Itália, foi construído especialmente para abrigar e se dedicar ao estudo de seus restos mortais.

A pele, cabelo, ossos e órgãos de Otzi estavam preservados pelo gelo, o que possibilitou aos pesquisadores vislumbrar a vida dos seres humanos na Idade do Cobre. Nos últimos vinte e cinco anos os cientistas têm se dedicado a estudar a múmia. Nesse período eles puderam descobrir todo tipo de informação, desde os hábitos alimentares de Otzi até traços culturais (a múmia era tatuada).

 

Mas a causa da morte de Otzi sempre foi controversa. Apenas no começo dos anos 2000, começou-se a se especular que ele pudesse ter sido assassinado. Em 2001, os pesquisadores encontraram no ombro da múmia fragmentos de uma flecha. Eles constataram que Otzi tinha sido atingido pelas costas. Em 2005, uma tomografia revelou mais detalhes sobre o ferimento: a flecha atingiu sua artéria subclávia esquerda, causando morte rápida.

 

Em 2014, o museu que abriga Otzi contratou o investigador de polícia Alexander Horn para desvendar o caso. Usando métodos modernos de investigação, Horn interrogou os cientistas que haviam estudado Otzi, consultou especialistas em medicina forense, radiologia e antropologia.

 

Horn concluiu que Otzi deve ter sido morto por traição ou vingança. O modo como o corpo foi encontrado e o conteúdo de seu estômago indicam que ele foi atacado de surpresa, enquanto descansava após uma farta refeição. Um ferimento recente na mão direita da múmia pode significar que ele tenha brigado com alguém, alguns dias antes de ter sido morto. O ferimento de flecha aponta que ele foi atingido pelas costas a uma grande distância. Objetos de valor, como um machado de cobre, não foram roubados, descartando a hipótese de latrocínio. Tudo indica que o pobre Otzi foi vítima de uma emboscada por parte de um desafeto. Cinco mil e trezentos anos depois, o caso está encerrado. 


Fontes: Huffington Post e El País

Imagem: Museu Arqueológico de Tirol do Sul/Reprodução