POMPEIA

Novo estudo revela destino dos sobreviventes da erupção que destruiu Pompeia

A erupção do Vesúvio matou cerca de duas mil pessoas nas cidades de Pompeia e Herculano, no ano 79 d.C. O vulcão espalhou cinzas, rochas e vapores vulcânicos pelos ares. A lava que escorreu pela montanha chegou a atingir 500°C, deixando um rastro de morte e destruição. Agora, um novo estudo procura descobrir o que aconteceu com os sobreviventes da tragédia.

Vídeo relacionado:

A pesquisa aponta que os sobreviventes se estabeleceram em cidades próximas. A maioria deles se deslocou para as localidades de Cumae, Nápoles, Ostia e Puteoli. Para traçar os destinos dessas pessoas, Steven Tuck, professor da Miami University, nos Estados Unidos, pesquisou registros históricos como documentos, artefatos e edificações antigas.

Uma das principais linhas de investigação foi a pesquisa genealógica. Tuck criou um banco de dados com sobrenomes de famílias que viviam em Pompéia e Herculano para verificar se eles apareciam em algum lugar depois de 79 d.C. Ele também buscou em outras localidades traços culturais típicos das cidades atingidas pela erupção (como a adoração ao deus Vulcano).

O pesquisador conseguiu até mesmo saber o que aconteceu com um sobrevivente específico da tragédia. Por meio de uma inscrição, ele descobriu que um homem chamado Cornelius Fuscus, antigo habitante de Pompeia, mais tarde morreu em uma campanha militar onde hoje fica a Romênia. Tuck também constatou que vários refugiados que fugiram das cidades atingidas casaram-se entre si. 


Fonte: Live Science

Imagem: Shutterstock.com