pré-história

Neandertais e humanos primitivos podem ter convivido durante milhares de anos em caverna

Perto da cidade russa de Chiorny, nas Montanhas Altai, na Sibéria, encontra-se a Caverna Denisova, um lugar excepcional para a arqueologia, já que se trata do único conhecido do mundo que abrigou dois tipos de hominídeos ao mesmo tempo. Recentemente, um híbrido entre neandertais e denisovanos (subespécie de humanos primitivos) foi descoberto por pesquisadores.  Agora, eles acreditam que as duas espécies conviveram no local durante milhares de anos. 

Vídeo relacionado:

Uma equipe internacional de cientistas constatou que os hominídeos de Denisova viveram na caverna entre 287 e 55 mil anos atrás, coincidindo com o período no qual os neandertais habitavam o local, entre 193 mil e 97 mil anos. O trabalho, que envolveu pesquisadores do Instituto Max Planck (Alemanha), Universidade de Oxford (Inglaterra) e Universidade Wollongong (Austrália), foi publicado pela revista Nature. 
A prova definitiva da convivência de ambos os tipos de hominídeos foi a descoberta do fóssil de uma filha de ambas as espécies, a quem os cientistas chamaram de “Denny”.

Após 40 anos de escavações nessa caverna, onde foram coletadas grandes quantidades de materiais fósseis, como ossos, dentes e fragmentos de carvão, os especialistas conseguiram estabelecer uma cronologia da sequência arqueológica do local. Sabe-se agora que os hominídeos de Denisova ocuparam a caverna há pelo menos 200 mil anos, mas vestígios encontrados em depósitos mais profundos sugerem que o local pode ter sido habitado muito antes, 300 mil anos atrás. Os neandertais chegaram entre 200 mil e 100 mil anos atrás, e ambos os grupos começaram a se mesclar há pelo menos 100 mil anos.

Os Neandertais desapareceram há 40 mil anos e os Hominídeos de Denisova, há 50 mil, quando o homem moderno já ocupava partes da Ásia. Fica a incógnita se alguma vez as três espécies cruzaram seus caminhos.


Fonte: Gizmodo

Imagem: Демин Алексей Барнау, via Wikimedia Commons