Todos os horários
Ta Na História

Luís Gama: inimigo número 1 da escravidão

Por Thiago Gomide do Tá na História, em parceria com o Catraca Livre.

 

Parceria HISTORY, Ta Na História e Catraca Livre

 

Antes de tudo, filho de peixe, peixinho é.

A mãe do baiano Luis Gama era negra livre e quitandeira.

Segundo o próprio Gama, ela participou de inúmeras rebeliões contra a escravidão.

Por causa dessas participações, Luiza Mahin teve que se mandar pro Rio de Janeiro e deixou o menino nos cuidado do pai, um branco, português, rico.

O pai, que era metido em jogos, perdeu uma grana pesada e deu o filho como forma de pagamento. Aos 10 anos, Luiz Gama foi entregue à um comerciante de pessoas escravizadas.

Gama foi para o Rio de Janeiro, foi para São Paulo e acabou não sendo revendido.

Os baianos, considerados revoltosos, não eram bem vistos.

Antônio Pereira Cardoso teve que ficar com o garoto, que se virou nos trinta: foi copeiro, sapateiro, aprendeu a costurar...

A vida do Luiz Gama mudou mesmo quando ele aprendeu a ler e a escrever. Um estudante o ajudou nos passos iniciais.

Com domínio das letras, aos 18 anos, ele conseguiu reunir provas que mostravam que ele era escravo livre.

Fugiu de seu algoz para ajudar homens e mulheres escravizados. Com a lei, com a palavra, com pena.

Aperta o play pra saber das lutas desse advogado do povo. Conheça também uma enorme polêmica que Luiz Gama se meteu.

Como jornalista, ele escreveu e participou da fundação de diversos jornais.

Sempre escreveu com uma pegada social, lutando por direitos iguais, contra a escravidão.

O livro de poemas dele, “Primeiras Trovas Burlescas”, é considerado um clássico.

Gama faleceu 6 anos antes da assinatura da Lei Áurea.

 

***

 

O canal no YouTube está lotado de curiosidades históricas. Entra no youtube.com/tanahistoria e se inscreva.

Pra entrar em contato, o e-mail é [email protected] ou [email protected]

 

 

THIAGO GOMIDE é jornalista e pesquisador. Foi apresentador e editor do Canal Futura e da MultiRio, ambos dedicados à educação. Escreveu e dirigiu o documentário "O Acre em uma mesa de negociação". Além de ser o responsável pelo conteúdo do Tá na História, atualmente edita e apresenta o programa A Rede, na Rádio Roquette Pinto ( 94,1 FM - RJ). 

A proposta do Tá na História é oferecer conteúdos que promovam conhecimento sobre personagens e fatos históricos, principalmente do Brasil. Tudo isso, claro, com bom humor e muita curiosidade.