Todos os horários
POMPEIA

Inscrição pode revelar último mistério sobre a erupção do Vesúvio

Uma inscrição encontrada nas ruínas de Pompeia pode ajudar a solucionar um mistério milenar. Não há dúvidas a respeito do ano em que aconteceu a destruição da cidade pela erupção do vulcão Vesúvio. É consenso que a tragédia ocorreu em 79 d.C., mas até hoje não se sabia exatamente em que época do ano havia acontecido a fatalidade.

Vídeo relacionado:

O texto, escrito em latim, foi encontrado em uma casa que estava sendo reformada quando houve a erupção. Ao que tudo indica, a inscrição foi registrada em um dia 17 de outubro. Segundo os pesquisadores, as palavras, escritas com carvão em uma parede da residência, fazem referência a “uma pessoa que comeu demais”.

Apesar de a inscrição não conter um ano de registro, os cientistas acreditam que ela tenha sido feita pouco antes da erupção. Eles chegaram a essa conclusão porque a reforma da casa onde o texto foi encontrado nunca foi terminada. A interrupção da obra teria ocorrido justamente devido à tragédia. 

Arqueólogos discutem há anos sobre o período do ano em que houve a erupção. Anteriormente, a data mais apontada costumava ser 24 de agosto. Essa informação estava em uma carta escrita pelo político Plínio, o Jovem, ao historiador Tácito. Mas, o documento original se perdeu, restando apenas uma cópia transcrita por um monge na Idade Média. Especula-se que ele tenha cometido um erro na hora de copiar o texto: ao invés de agosto, o Vesúvio teria entrado em erupção em 24 de outubro (uma semana após ter sido feita a inscrição encontrada agora).

O mês de agosto ocorre quando é verão no hemisfério norte. Outra indicação de que a erupção não aconteceu naquele mês está nas roupas grossas que as vítimas vestiam, inapropriadas para um clima mais quente. Além disso, foram encontradas frutas de estações mais frias carbonizadas nas ruínas da cidade. Por isso, é mais provável que a tragédia tenha acontecido mesmo em outubro, quando é outono na Itália e a temperatura é mais baixa.  


 Fonte: Live Science

Imagem: Pompeii Parco Archeologico/Reprodução