Passado Presente

Estação da Luz: a fascinante história de um marco de São Paulo

Por Ricardo Della Rosa, do canal Passado Presente

 

A Estação da Luz, foi palco de momentos importantes de alguns assuntos que abordamos aqui no canal Passado Presente , tais como a Revolta de 1924 e a Revolução de 1932.

 

Saiba mais com a Pílula Histórica dessa semana:
 

Além desses contextos, décadas atrás todas as personalidades que tinham a capital como destino eram obrigadas a desembarcar no local: Reis, diplomatas e políticos foram recepcionados em seu saguão e por lá passavam ao se despedirem. A estação tornou-se ainda uma importante porta de entrada para imigrantes - promovendo a pequena vila de tropeiros a uma importante metrópole. 

Abaixo uma pequena resenha histórica:

 

A primeira Estação da Luz era pequena e acanhada. Construída em 1867 pela Estrada de Ferro Inglesa, The São Paulo Railway, a estação fazia a linha entre Jundiaí, interior de São Paulo, e Santos, de onde o café era exportado. Anos mais tarde, sem conseguir atender à crescente demanda da produção cafeeira, a próspera Companhia São Paulo Railway (a "Inglesa") construiu outra estação no mesmo lugar, muito mais imponente, entre 1895 e 1900. Foi projetada pelo arquiteto inglês Charles Henry Driver em estilo neoclássico.

 

Os materiais da construção foram todos importados. "A Estação da Luz veio pelo Oceano Atlântico desmontada. Peça por peça viajou de navio: pregos, tijolos, madeira (pinho-de-riga irlandês), telhas cerâmicas de Marselha, França, e a estrutura de aço de Glasgow, Escócia. Material suficiente para cobrir uma área de 7.520 metros quadrados, ao custo de 150 mil libras esterlinas." A estrutura metálica tinha 150 metros de comprimento. O edifício tinha 150 metros de comprimento de fachada com uma torre de 50 metros de altura.

 

A inauguração da nova Estação da Luz ocorreu no dia 1º de março de 1901 e, desde então, tornou-se um símbolo do ciclo do café da nossa cidade. Em 1946, porém, um incêndio criminoso destruiu grande parte da estação. O fogo ardeu por mais de sete horas. Só restaram a gare e a ala oeste. Em 1947, a "Inglesa" (SPR) foi nacionalizada com o nome de Estrada de Ferro Santos-Jundiaí (EFSJ). Até 1951, foram feitas as obras de reconstrução da estação atingida pelo incêndio. O edifício ganhou mais um pavimento e uma plataforma central para o uso do trem metropolitano.
(Fonte: São Paulo 450 anos)

 

A seguir algumas fotos da estação que ajudou a cidade de São Paulo a ter a importância atual nos cenários nacional e mundial. Para os leitores que não são de São Paulo e ainda não a conhecem pessoalmente, fica a dica do passeio que pode ir adiante na Pinacoteca do Estado, logo em frente a estação.

 


 

Ricardo Della Rosa é blogueiro, colecionador de antiguidades e pesquisador da história militar brasileira. Em seu canal do You Tube, Passado Presenteele apresenta várias peças históricas, locais e personagens muito interessantes.