OS VIKINGS

Esqueleto de guerreira viking intriga pesquisadores na Suécia

Em 1878, arqueólogos encontraram restos mortais humanos em uma sepultura viking, na Suécia. Na cova, havia armas, ornamentos e ossadas de dois cavalos que pertenceriam a um guerreiro. Por mais de cem anos, acreditava-se que o esqueleto fosse de um homem, mas novas análises de DNA revelaram que, na verdade, ele pertence a uma mulher. 

Vídeo relacionado:

Ao descobrir que o esqueleto era feminino, críticos passaram a questionar os responsáveis pelo estudo. Algumas pessoas chegaram a acusar os cientistas de terem analisado os ossos errados. Outros duvidaram que uma mulher pudesse exercer a função de guerreira na sociedade viking.

Em um artigo publicado na revista Antiquity, os pesquisadores da Universidade de Uppsala reafirmam que a pessoa enterrada é, sem dúvida nenhuma, uma mulher. A descoberta levantou discussões a respeito do papel feminino entre os vikings. Embora não haja muitas evidências físicas da presença de guerreiras naquela sociedade, lendas dizem que elas existiram. 

De acordo com os pesquisadores, as roupas com as quais a mulher estava vestida sugerem que ela era uma comandante de cavalaria. "O tempo irá dizer se estamos certos ou errados, mas achamos provável que mais mulheres guerreiras da Era Viking serão encontradas", diz o artigo. A sepultura data do século X e foi descoberta na ilha de Björkö, onde funcionava um importante entreposto comercial dos vikings.

Os cientistas ainda ressaltam que aplicar conceitos atuais de identidade de gênero em civilizações antigas pode induzir a conclusões erradas. Eles especulam que talvez os papéis masculinos e femininos pudessem ser diferentes entre aquele povo nórdico. 


Fonte: IFLScience

Imagem: Shuttestock.com