Agora
TRATO FEITO
23H30
TRATO FEITO
23H58
TRATO FEITO
Todos os horários
pré-história

Cérebros em miniatura criados em laboratório ajudarão a entender neandertais

Com o objetivo de estudar as diferenças entre o homo sapiens e o homem de neandertal, cientistas estão se preparando para criar "cérebros em miniatura" em laboratório. Esses pequenos aglomerados de tecido (chamados de organoides) serão desenvolvidos com células-tronco humanas, editadas para conter versões "neandertalizadas" de diversos genes.

Vídeo relacionado:

Os organoides (que não possuem a capacidade de pensar ou sentir) são aproximadamente do tamanho de uma lentilha. Eles são capazes de replicar as estruturas básicas de um cérebro adulto. As estruturas devem auxiliar os pesquisadores a determinar pela primeira vez se havia diferenças significativas entre os cérebros dos humanos modernos e dos neandertais. 

"Não se trata de forma alguma de um cérebro humano bem formado, mas por meio dele poderemos estudar as sinapses, atividades elétricas e diferenças nessa fase inicial de desenvolvimento", disse Gray Camp, um dos líderes do estudo do Instituto Max Planck, na Alemanha. Um dos objetivos da pesquisa é descobrir se existe uma razão biológica que explique os motivos pelos quais os homens modernos continuam a existir, enquanto os neandertais foram extintos. Uma das teorias que explica o sucesso do homo sapiens atribui a sobrevivência da espécie à sua capacidade cognitiva diferenciada.

Humanos modernos e neandertais se separaram em duas linhagens separadas há cerca de quatrocentos mil anos. Enquanto nossos ancestrais permaneceram na África, os neandertais migraram para a Europa. Recentemente, os conceitos sobre nossos "primos distantes" estão sendo revistos. Antes, acreditava-se que os neandertais fossem mais primitivos, mas pinturas produzidas por eles encontradas em cavernas indicam que eles eram mais sofisticados do que se supunha. 


 Fonte: The Guardian

Imagem: Luca Lorenzelli/Shutterstock.com