GUERRAS MUNDIAIS

Após décadas fechados, bunkers de Mussolini estão abertos ao público

Depois de décadas fechados, os bunkers do ditador Benito Mussolini, localizados no subsolo de sua residência romana em Villa Torlonia e construídos como refúgio contra os bombardeios inimigos da Segunda Guerra Mundial, tiveram suas portas abertas recentemente. Agora, os curiosos e pesquisadores de todo o mundo vão poder observar, de dentro, uma boa parte da triste história do século XX (veja o vídeo no final do texto).

O primeiro bunker, um refúgio subterrâneo de 80 m², foi construído em 1940, nas antigas bodegas da vila, a quatro metros de profundidade. Ele contava com um sistema de ventilação, um gerador de eletricidade, duas saídas de emergência e portas duplas que garantiam a segurança dos ocupantes em casos de ataque com gás. Mesmo assim, o Il Duce descartou esse bunker e mandou construir outro ainda mais equipado.

O segundo bunker fica exatamente sob a residência do ditador italiano – o que acabava sendo cômodo, mas também o transformava em um alvo tentador. Assim, em meio aos bombardeios sitiantes a Roma, Mussolini mandou que cavassem um terceiro refúgio, com seis metros de profundidade, cuja construção não foi finalizada. Feito com paredes de concreto de quatro metros de espessura e duas saídas de emergência, o bunker contava com tecnologia de segurança de ponta, pois o italiano pretendia imitar e se colocar à altura de Adolf Hitler.

Os três bunkers fazem parte do itinerário histórico que o público poderá visitar.

Fonte e imagens: Pulso e InfoBae