HOJE NA HISTORIA

Mansão Matarazzo termina de ser demolida

 



  20 de Maio de 2011

Em 20 de maio de 2011 chegava definitivamente ao fim a história de uma das construções que mais marcaram época em São Paulo. A Mansão Matarazzo, símbolo de uma das dinastias mais prósperas do país, terminou de ser demolida nessa data, levando consigo boa parte da história da cidade.

A mansão passou por diversas fases durante sua existência. A primeira delas começou em 1896, quando a residência foi construída na Avenida Paulista. A casa foi projetada pelos arquitetos italianos Giulio Saltini e Luigi Mancini. Nessa época, o local serviu de moradia para o patriarca do clã, o conde Francesco Matarazzo. O empresário foi o fundador do maior complexo industrial da América Latina, as Indústrias Reunidas Fábricas Matarazzo.

No início da década de 1940, a mansão passou por uma completa reformulação. Francisco Matarazzo Júnior, que sucedeu o pai no comando da empresa, encomendou ao arquiteto Marcello Piacentini um novo projeto para a residência. Após sua reconstrução, a mansão foi palco de uma das mais lendárias festas da elite brasileira, o casamento de Filomena Matarazzo com o industrial carioca João Lage. A celebração ficou conhecida como a “milésima segunda noite da Avenida Paulista” e durou três dias. 

A mansão entrou em decadência após a morte do conde Chiquinho Matarazzo, em 1977. A condessa Mariângela, viúva do conde, e sua filha, Maria Pia Matarazzo, moraram no local até 1989. Depois disso, a casa ficou abandonada. Em seguida, a família e a prefeitura de São Paulo entraram em conflito a respeito do projeto de tombamento da mansão.

A construção histórica foi tombada em 1990 e no local planejava-se construir o Museu do Trabalhador. Mas poucos anos depois, o tombamento acabou sendo suspenso. A família resolveu então transformar o antigo jardim da mansão em estacionamento. Em 1996, boa parte da residência acabou desabando por falta de manutenção. Em 20 de maio de 2011, finalmente foram demolidos o pórtico de entrada e alguns bancos, tudo que ainda restava da mansão. No local hoje funciona um complexo que inclui um edifício e um shopping center.

 


Imagem: USP/Reprodução