Hoje na história

19.out.1899

Nasce Miguel Ángel Asturias

Miguel Ángel Asturias Rosales nasceu em 19 de outubro de 1899 e faleceu em 9 de junho de 1974. Foi um escritor e diplomata guatemalteco. Recebeu o Prêmio Nobel de Literatura em 1967. Dois anos antes, havia obtido o Prêmio Lênin da Paz. Durante parte da década de 20, estudou a sociedade e a religião Maia. Traduziu o Popol Vuh, o sagrado livro Quiché dos Maias, o qual finalizou em 1926. Estudou Medicina e Direito em seu país, sendo dirigente do movimento de Reforma Universitária, e Antropologia na universidade de Sorbonne (Paris). Em 1942 foi eleito deputado na Guatemala. Posteriormente foi nomeado embaixador em diversos países sul-americanos. Em 1954, se exilou. Depois de ser reabilitado, nos anos 60 foi embaixador na França. Romancista e contista do realismo mágico, influenciado em suas origens pelo surrealismo, logo, sem renunciar a esse estilo, adentrou em seu campo predileto: a mitologia indígena, a própria terra (o telúrico, em termos muito atuais), no sentido de compromisso com os dissabores dos camponeses submetidos ao jugo colonialista, o que se encontra nos títulos de suas obras. Junto a ele, e faceta não menos importante, a qualidade e sonoridades de sua prosa apenas admitem comparação na literatura castelhana do século XX. Entre suas obras se destacaram: Lendas da Guatemala 1930; O Senhor Presidente 1946; Homens do Milho 1949; Vento Forte 1950; O Batata Verde 1954; Os Olhos dos Enterrados 1960; O Enfeitadinho 1961; Mulata de Tal 1963; Contos e Lendas 1965; Clarivigilia Primaveral (poesia, Editorial Losada 1965; O Espelho de Lida Sal 1967; "Maladrón" 1969; Sexta de Dores 1972; América 1972. Torotumbo 1962. A Audiência dos Confins 1957. O Homem que Tinha Tudo Tudo Tudo 1981 e Têmpora de Calandra 1948.

 


 

Imagem: Anamix257 (Own work) [Public domain], via Wikimedia Commons