Todos os horários

Hoje na história

14.Sep.1769

Nasce Alexander von Humboldt, naturalista e explorador alemão

Alexander Von Humboldt nasceu no dia 14 de setembro de 1769 e faleceu em 1859. Foi um naturalista e explorador alemão, muito conhecido por suas valiosas contribuições para o estudo da geofísica, meteorologia e oceanografia. Estudou com vários professores particulares e em várias universidades, assim como na Academia de Mineração de Freiberg (Alemanha). Apesar de ser conhecido como naturalista, diplomata, astrônomo, mineralogista e anatomista, sua fama se deve também às suas expedições na América Latina. Em 1799 saiu da Espanha, e após uma breve escala nas ilhas Canárias, desembarcou finalmente em Cumaná (Venezuela).

Humboldt explorou todo o rio Orinoco e a maior parte do rio Amazonas em terras venezuelanas. Viajou também por Cuba, pela região do rio Magdalena, na Colômbia, e pelas montanhas dos Andes do Equador, onde subiu até o vulcão Chimborazo, a uma altitude de mais de 5.800 metros. Estudou as correntes do oceano, as temperaturas relativas de acordo com a altitude e a intensidade magnética com relação ao equador, assim como os minerais, vegetais e a vida animal da região. Relacionou-se com naturalistas dos distintos países que visitou, a quem apoiou em suas investigações.

Passou o último período de seus cinco anos de expedições no México. Suas observações e descobertas nesta expedição foram expostas nas viagens às regiões do novo continente. Também escreveu um ensaio político sobre o reino da Nova Espanha (1811). Durante todos estes anos de estadia na América, Humboldt entrou em contato com os naturalistas dos países que visitou e apoiou decididamente o movimento de independência latino-americano. Em 1804 voltou à Europa e foi na cidade de Paris onde conheceu os cientistas, artistas e políticos mais seletos de sua época. Humboldt se reuniu em diversas ocasiões com o Libertador Simon Bolívar, com quem compartilhou as opiniões sobre a emancipação das colônias americanas da Coroa espanhola.

Durante os últimos anos de sua longa vida, escreveu uma obra em cinco tomos, Kosmos (O Cosmos, 1845-1862), na qual expôs não somente seu amplo conhecimento pessoal, mas também a maior parte do conhecimento geográfico e geológico de sua época. Kosmos foi considerado o primeiro livro de texto dos geofísicos. Ao redor do mundo existem espécies de animais, parques nacionais, monumentos e reservas naturais nomeadas em sua homenagem.

 


Imagem: Friedrich Georg Weitsch/Alte Nationalgalerie [Domínio público], via Wikimedia Commons