Hoje na história

06.ago.1890

Acontece a primeira execução de morte na cadeira elétrica

Na Prisão de Auburn Prisão, em Nova York, acontecia a primeira execução na cadeira elétrica na história, em um dia como este, no ano de 1890. O executado foi William Kemmler, que havia sido condenado pelo assassinato a machadadas de sua amante, Matilda Ziegler.

A morte por uso de eletricidade foi sugerida pela primeira vez em 1881 pelo Dr. Albert Southwick, um dentista. Southwick havia testemunhado um idoso bêbado ser morto ao tocar nos terminais de um gerador elétrico em Buffalo, Nova York. A eletrocutamento seria uma forma alternativa ao enforcamento, em que os condenados levavam até 30 minutos para morrer por asfixia.

Em 1889, a Lei de Execução Elétrica de Nova York, o primeiro de seu tipo no mundo, entrou em vigor, e Edwin R. Davis foi contratado para projetar uma cadeira elétrica. Muito parecidas com o dispositivo moderno, cadeira de Davis foi equipado com dois eletrodos, constituído por discos em conjunto com um borracha e cobertos com uma esponja úmida. Os eletrodos eram aplicado na cabeça e nas costas do criminoso.

Em 6 de agosto de 1890, William Kemmler foi preso a esta cadeira. Depois, recebeu uma carga de aproximadamente 700 volts, que durou 17 segundo, até que a corrente falhou. Embora testemunhas relataram cheiro de roupa e carne queimada, Kemmler ainda não estava morto, e um segundo choque foi preparado. A segunda carga foi de 1.030 volts, aplicada por cerca de dois minutos. Observou-se uma fumaça saindo da cabeça dele, quando ficou claro que ele havia morrido.

Dr. Southwick aplaudiu a execução de Kemmler com a declaração: "Nós vivemos em uma civilização superior a partir deste dia". Já o inventor norte-americano George Westinghouse, de uma empresa inovadora do uso de energia elétrica, comentou: "Eles teriam feito melhor com um machado."
 
 

Imagem: National Library of France [Domínio público], via Wikimedia Commons