setembro 2017

set 28

Morre Shimon Peres, ex-Chefe de Estado de Israel e ganhador do Nobel da Paz

28.Set.2016
Ler mais
leer menos

Escapista Harry Houdini é enterrado vivo num caixão por 1h11min

No dia 28 de setembro de 1926, Harry Houdini, um dos mais famosos mágicos da história, realizou, pela terceira, vez o truque de ser enterrado vivo. A performance aconteceu no YMCA, em Worcester, Massachusetts, e o ilusionista ficou 1h11min dentro de um caixão lacrado e submerso na água. O escapista realizou a primeira versão do número perto de Santa Ana, na Califórnia, em 1915, quando foi enterrado em um poço de terra com 1.8m de profundidade. A segunda apresentação ocorreu na piscina do Nova York Shelton Hotel, onde ele ficou submerso por uma 1h30, em agosto de 1926.

Nascido em 24 de março de 1874, em Budapeste, na Hungria, Ehrich Weiss, mais conhecido pelo nome artístico de Harry Houdini, ficou particularmente conhecido pela sua habilidade em abrir rapidamente cadeados e outros tipos de trancas, dentro de caixas e tanques fechados tanto dentro quanto fora da água.

O ilusionista, que havia migrado com a família ainda pequeno para os Estados Unidos, alcançou enorme sucesso. Além de sua habilidade para escapar de correntes, ele também conseguia ficar mais de uma hora submerso na água sem respirar.

A morte do escapista, no entanto, aconteceu justamente em função de uma de suas apresentações, em Montreal, no Canadá, o número da "incrível resistência torácica". Houdini foi golpeado por um estudante, um boxeador amador, quando ainda não estava com os músculos preparados e teve o apêndice rompido. Uma semana depois, morreu em um hospital de Detroit, no dia 31 de outubro de 1926, aos 52 anos.

 

Imagem: not given [Domínio público], via Wikimedia Commons

28.Set.1926
Ler mais
leer menos

Lei dos Sexagenários determina libertação dos escravos a partir de 60 anos

Em um dia como este, em 1885, era promulgada a Lei dos Sexagenários, que concedia "liberdade" aos escravos com mais de 60 anos. Esta liberdade é discutível pois, assim que o escravo atingisse essa idade, ele ainda teria um  vínculo de três anos de trabalho gratuito com seu patrão. Na prática, apenas escravos com mais de 65 anos teriam o direito conquistado, o que fez com que a lei não tivesse grande impacto, já que poucos escravos atingiam esta idade e, além disso, nesta altura da vida, eles estavam desvalorizados. Com a lei, os proprietários tinham mais autonomia para dispensar a mão de obra menos produtiva.
 
Apesar de não ter causado grandes mudanças práticas, a Lei dos Sexagenários fez parte de uma série de avanços na campanha dos abolicionistas que, três anos mais tarde, conseguiriam aprovar a Lei Áurea, que aboliu a escravatura no Brasil. Antes de ser aprovado, o projeto dos Sexagenários, do liberal Sousa Dantas, recebeu forte oposição dos fazendeiros, que acabaram aceitando com a condição de que os escravos com 60 anos tivessem esse vínculo de três anos.
 
Antes, em 1872, a Lei do Ventre Livre foi aprovada para impedir que crianças negras fossem forçadas a trabalhar. Apesar desta lei representar um certo avanço, o jovem escravo encontrava-se repleto de dívidas aos 21 anos, já que até ali tinha sido bancado por seu patrão com estadia, comida e necessidades básicas. Ou seja, a alternativa para muitos era seguir como escravo.
 
 

Imagem: Shutterstock.com

28.Set.1885
Ler mais
leer menos