setembro 2017

set 16

Após demissão, Steve Jobs retorna à Apple

No dia 16 de setembro de 1997, o visionário Steve Jobs estava de volta à Apple, empresa que fundou aos 20 anos com o amigo Steve Wozniak, na garagem da casa dos seus pais. Dez anos depois, Jobs foi demitido da própria empresa por conta de disputas de poder com o então CEO, John Sculley.

Enquanto esteve fora da Apple, Jobs fundou a NeXT e a Pixar, de computação gráfica, que, em parceria com a Disney, produziram animações de sucesso. Entre seus objetivos também estava derrubar a Apple nos negócios, algo que ele não conseguiu fazer.

Em dezembro de 1996, a Apple comprou a NeXT por US$ 400 milhões. A empresa queria a NeXTStep para formar a base de um novo sistema operacional para bater o navegador Netscape. Jobs retornou à empresa como assessor informal do então CEO Gil Amelio. Mas, em alguns meses, o conselho da empresa demitiu Amelio depois que a Apple sofreu uma das maiores perdas trimestrais na história do Vale do Silício.

Em 16 de setembro de 1997, a Apple anunciou que Jobs era oficialmente nomeado CEO interino, ou iCEO, como a empresa decidiu nomear o cargo. Jobs e sua equipe criaram produtos de enorme sucesso como o iMac, em 1998, e, mais tarde, o iPhone, iPod e iPad.

Jobs morreu no dia dia 5 de outubro de 2011, aos 56 anos, em São Francisco, na Califórnia, vítima de câncer, doença contra a qual lutava desde 2004. Nos seus últimos anos de vida, concedeu em torno de 40 entrevistas para Walter Isaacson, que escreveu a sua biografia autorizada.

 

Imagem: Shutterstock.com

16.Set.1997
Ler mais
leer menos

Steve Jobs deixa a Apple

O dia 16 de setembro marcou tanto a data de saída como a de retorno (em anos diferentes) do visionário Steve Jobs da Apple. Considerado gênio por suas criações à frente da empresa e também como co-fundador da NeXT e Pixar, ele fundou a Apple aos 20 anos com o amigo Steve Wozniak na garagem da casa dos seus pais.

Dez anos depois, a Apple possuía 10 mil funcionários. Ironicamente, aos 30 anos, no dia 16 de setembro de 1985, Jobs foi demitido da própria empresa por conta de disputas de poder com o então CEO, John Sculley. Job ajudou a contratar John, que veio da Pepsi Co. Enquanto esteve fora da Apple, Jobs fundou a NeXT e a Pixar, de computação gráfica, que, em parceria com a Disney, produziu muitas animações de sucesso. Entre seus objetivos também estava a vontade de bater a Apple nos negócios, algo que ele não conseguiu fazer.

Em dezembro de 1996, a Apple comprou a NeXT por US$ 400 milhões. A empresa queria a NeXTStep para formar a base de um novo sistema operacional para bater o navegador Netscape. Jobs retornou à empresa como assessor informal do então CEO Gil Amelio. Mas, em alguns meses, o conselho demitiu Amelio depois que a Apple sofreu uma das maiores perdas trimestrais na história do Vale do Silício.

Jobs foi inicialmente relutante em assumir um cargo na Apple. Sua outra empresa, a Pixar, tinha acabado de lançar seu primeiro filme, Toy Story, com grande sucesso. Mas ele logo achou tempo para a Apple e trabalhou duro. Em 16 de setembro de 1997, a Apple anunciou que Jobs era oficialmente nomeado CEO interino, ou iCEO, como a empresa espertamente decidiu nomear o cargo. Jobs e sua equipe criaram então o iMac, em 1998, produto que vendeu bem e ajudou na recuperação da saúde financeira da Apple. Outros produtos de enorme sucesso também foram lançados como o iPhone, iPod e iPad.

Jobs morreu no dia dia 5 de outubro de 2011, aos 56 anos, em São Francisco, na Califórnia, morreu vítima de câncer, doença contra a qual lutava desde 2004. Nos seus últimos anos de vida, concedeu em torno de 40 entrevistas para Walter Isaacson, que escreveu a sua biografia autorizada. Jobs ficou na empresa como CEO até 2011, quando foi obrigado a se afastar por conta da doença.

 

Imagem: Matthew Yohe [CC BY-SA 3.0], via Wikimedia Commons

16.Set.1985
Ler mais
leer menos