setembro 2017

set 05

Lançado Cidadão Kane, um marco da história do cinema

Um dos filmes mais importantes da história do cinema foi lançado no dia 5 de setembro de 1941, nos Estados Unidos. Cidadão Kane, do então estreante diretor Orson Welles, foi indicado para nove categorias do Oscar e ganhou a estatueta de Melhor Roteiro Original, produzido por Welles e Herman J. Mankiewicz. Além de dirigir e participar do roteiro, Welles, com somente 26 anos, também produziu e a atuou no filme. A obra foi considerada inovadora no seu tempo por sua cinematografia, música e estrutura narrativa.

A história do filme é sobre a vida e legado de Charles Foster Kane, interpretado por Welles, um personagem baseado em parte no magnata da imprensa norte-americana William Randolph Hearst. Também serviram de inspiração milionários como Chicago Samuel Insull, Harold McCormick e aspectos da própria vida de Welles. Após o lançamento de Cidadão Kane, Hearst proibiu qualquer menção ao filme em seus jornais.

Narrado principalmente através de flashbacks, a história é contada por um repórter investigativo que busca solucionar o mistério da palavra "Rosebud", dita no leito de morte do magnata da imprensa.

Enquanto o filme recebeu enorme elogio da crítica, Cidadão Kane não deu retorno financeiro. O filme perdeu interesse após o seu lançamento, mas voltou à atenção do público quando elogiado por críticos franceses como André Bazin, ganhando um novo fôlego em 1956. Em 2001, a obra foi lançada em Blu-ray em uma edição comemorativa aos seus 70 anos.

Antes de produzir Cidadão Kane, Welles chamou a atenção aos 23 anos, em 1938, quando comandou a transmissão radiofônica de “A Guerra dos Mundos”, de Herbert George Welles, causando pânico em ouvintes que acreditaram que uma invasão extraterrestre estava acontecendo. Isso chamou a atenção de um estúdio de Hollywood, RKO Pictures, que decidiu dar liberdade total a Welles para criar o seu primeiro filme.

Depois da fama com Cidadão Kane, Welles ainda dirigiu e atuou em dezenas de obras. Algumas foram sucesso, outras nem tanto. Sua passagem por Hollywood foi turbulenta pelas brigas com os produtores da indústria cinematográfica que, de acordo com ele, só enxergavam o lado mercadológico dos filmes. Ele morreu de ataque cardíaco, aos 70 anos, em sua residência, em Hollywood, no dia 10 de outubro de 1985. Welles deixou várias produções inacabadas.

 

Imagem: RKO Radio Pictures [Domínio público], via Wikimedia Commons

05.Set.1941
Ler mais
leer menos

Publicado o livro On the Road (Pé na Estrada), do beatnik Jack Kerouac

Um dos primeiros romances do movimento beat dos anos 1950, "On the Road" (ou "Pé na Estrada", em português), de Jack Kerouac, foi publicado neste dia, em 1957. O romance narra as andanças de Sal Paradise e seu amigo Dean Moriarty por caminhos em que eles experienciam drogas, amor livre e o nascimento da contracultura. Kerouac escreveu o livro em apenas três semanas, e sua obra se tornou um clássico instantâneo. Ao todo, ao longo de sua carreira, escreveu 20 livros de prosa e 18 de ensaios, cartas e poesia.

 
Apesar do lema hippie da década de 60 dizer "nunca confie em ninguém com mais de 30", Kerouac tinha 35 anos quando seu livro foi publicado. O escritor já era frequentemente associado ao movimento beat quando sua obra foi lançada. O romance está repleto de personagens baseados em figuras beat como Allen Ginsberg e William Burroughs.
 
Kerouac nasceu no dia 12 de março de 1922 em Lowell, Massachusetts. Filho de pais franco-canadenses, ele aprendeu o inglês como segunda língua. No colégio, Kerouac era um astro do futebol americano e ganhou uma bolsa de estudos para a Universidade de Columbia. Na Segunda Guerra Mundial, foi expulso da Marinha de Guerra por conta de seus problemas de personalidade.
Depois disso, se tornou um marinheiro mercante. No final de 1940, vagou pelos Estados Unidos e México, e escreveu seu primeiro romance, The Town and the City.
 
Após publicar o livro que o levou ao sucesso, Kerouac escreveu The Dharma Bums (Os vagabundos iluminados), – um romance com franca inspiração budista –, The Subterraneans (Os subterrâneos) ambos em 1958; Maggie Cassidy, em 1959; e Tristessa, em 1960. A partir daí, Kerouac tendeu ao posicionamento político de direita: criticava os hippies e apoiou a guerra do Vietnã. Publicou ainda Big Sur e Doctor Sax, em 1962, Visions of Gerard, em 1963, e Vanity of Duluoz, em 1968, entre outros. Visions of Cody, considerado por muitos o melhor e mais radical livro do autor, só foi publicado integralmente em 1972. 
 
Seus romances posteriores incluíram Os Dharma Bums (1958), Os subterrâneos (1958), e um viajante solitário (1960). Kerouac tinha problemas com consumo de álcool e morreu na Flórida, vítima de uma hemorragia interna, aos 47 anos, em 21 de outubro de 1969.
 
05.Set.1957
Ler mais
leer menos