agosto 2017

ago 30

Sequestrador volta à cena do crime e mantem Silvio Santos refém por oito horas

No dia 30 de agosto de 2001, o empresário e apresentador de TV Silvio Santos foi mantido refém durante oito horas, dentro de sua própria casa, pelo sequestrador Fernando Dutra Pinto – o mesmo que sequestrara a filha do apresentador, Patrícia Abravanel, dias antes. O caso, digno de um roteiro de cinema, ganhou repercussão internacional. Dias antes, em 21 de agosto, o bandido havia invadido a casa do apresentador e sequestrado Patrícia. Ela foi mantida em cativeiro por sete dias e Silvio Santos pagou meio milhão como resgate. Em 28 de agosto, Patrícia foi libertada e dois dos sequestradores foram presos. O mentor do crime, Fernando Dutra Pinto, só foi localizado no dia seguinte. Na perseguição, o bandido matou dois policiais, feriu um terceiro e fugiu. O que ninguém esperava é que Fernando voltaria à cena do crime. Por volta das 7h do dia 30 de agosto, ele pulou o muro da casa de Silvio Santos e, desta vez, fez o apresentador de refém. Começou, então, uma transmissão, ao vivo, sem intervalos, por sete horas e meia, na maior cobertura da televisão desde a morte de Ayrton Senna. A mulher e as filhas do apresentador foram liberadas logo no início da manhã, mas Fernando manteve Silvio Santos sob a mira de um revólver, sentado na cozinha da casa. O sequestrador exigia um helicóptero e atendimento médico – estava ferido devido à perseguição anterior. Silvio Santos só escapou da morte quando o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, em atitude polêmica, foi até a casa e convenceu o sequestrador Fernando Dutra Pinto a se entregar. Meses depois, em janeiro de 2002, Fernando morreu na prisão, em circunstâncias misteriosas. Dos R$ 500 mil pagos como resgate de Patrícia, a polícia recuperou R$ 464 mil. Em dezembro de 2002, o caso foi encerrado sem maiores explicações.Fontes: Mídia e Violência Imagem: Reprodução

30.Ago.2001
Ler mais
leer menos

É criada a chamada "linha quente" entre Washington e Moscou na Guerra Fria

A chamada "linha quente" entre Moscou e Washington entrou em operação em um dia como este, no ano de 1963, com o objetivo de poder ser acionada a qualquer momento a partir de então. Ela deveria ajudar na velocidade de comunicação entre os governos dos Estados Unidos e da União Soviética e prevenir a possibilidade de uma guerra acidental.
 
Em junho de 1963 , os representantes americanos e russos concordaram em estabelecer a chamada  "linha quente" entre Moscou e Washington. O acordo veio poucos meses depois da "crise dos mísseis", envolvendo Cuba, em 1962, quando Estados Unidos e a União Soviética estiveram à beira de um conflito nuclear. Desta maneira, esperava-se que comunicações mais rápidas e mais seguras entre as duas superpotências nucleares pudessem evitar crises como esta no futuro.
 
Em agosto de 1963, o sistema estava pronto para ser testado. Máquinas de teletipo americanos foram instaladas no Kremlin para receber mensagens de Washington; os soviéticos fizeram o mesmo, instalando suas máquinas no Pentágono (ao contrário da crença popular, a linha quente nos Estados Unidos estava no Pentágono e não da Casa Branca).
 
As duas nações também trocaram dispositivos de codificação para decifrar as mensagens. As mensagens de um país para outro levaria apenas uma questão de minutos, embora as mensagens tivessem que ser traduzidas. Elas eram transmitidas por uma longa conexão de cabo de 10.300 quilômetros, com "misturadores" ao longo do caminho para garantir que as mensagens fossem interceptados e lidas por pessoas não autorizadas.
 
Em 30 de agosto, os Estados Unidos enviaram a sua primeira mensagem para a União Soviética usando a linha quente: "A rápida raposa marrom saltou sobre as costas do cão preguiçoso 1234567890 ". A mensagem utilizava cada letra e número na máquina de teletipo para testar se tudo estava funcionando corretamente. A mensagem de retorno de Moscou estava em russo, mas indicou que todas as teclas do teletipo Soviética também foram funcionando.
 
A "linha quente" nunca foi realmente necessária para evitar uma guerra entre a União Soviética e os Estados Unidos, mas serviu de inspiração para vários filmes sobre desastres nucleares. Sua importância foi, em grande parte, simbólica. As duas superpotências, que estiveram perto de uma destruição nuclear mútua em outubro de 1962, reconheceram claramente os perigos da falta de comunicação ou a não comunicação no mundo moderno.
 
Embora a Guerra Fria tenha acabado, a linha quente continua em operação entre os Estados Unidos e Rússia. Em 1999, ela foi melhorada com uma conexão telefônica direta e segura entre os dois governos.
 
 
30.Ago.1963
Ler mais
leer menos