agosto 2017

ago 01

Adolf Hitler abre os Jogos de Berlim

No dia 1º de agosto de 1936, Adolf Hitler abria a XI Olimpíada, também chamada de Jogos Olímpicos de Verão, em Berlim, na Alemanha. Com grande pompa, no Estádio Olímpico de Berlim, a cerimônia de abertura contou com fanfarras musicais dirigidas pelo compositor Richard Strauss. Os Jogos Olímpicos de Verão de 1936, realizados de 1º a 16 de agosto, marcaram a história da Olimpíada e também da Alemanha. Hitler não poupou dinheiro e esforços para usar o evento como propaganda da Alemanha nazista. Gastou-se 20 vezes mais do que havia sido orçado e construiu-se o mais moderno complexo esportivo visto até então, com capacidade para 100 mil pessoas. Pela primeira vez na história, a cerimônia de abertura e alguns jogos foram retransmitidos pela recém-criada televisão, além dos cinemas, teatros e pelas imagens projetadas por circuito interno em enormes panos brancos retangulares pendurados em Berlim. Foi em Berlim que se criou também o cortejo da tocha olímpica, realizado até hoje. Hitler mandou que um corredor solitário saísse de Olímpia, na Grécia, carregando a tocha, e chegasse para a cerimônia de abertura dos Jogos, em Berlim. A XI Olimpíada foi usada por Hitler para mostrar ao mundo uma suposta Alemanha pacífica, mas superior. Ele retirou das ruas todos os símbolos antissemitas, prendeu cerca de 800 ciganos que vivam na cidade e criou uma delegação com 348 atletas, em sua maioria arianos. Apesar de terminar os jogos liderando o quadro de medalhas – 33 de ouro – Hitler teve de aceitar a vitória de um pequeno grupo de atletas negros norte-americanos, que conquistou a maioria das medalhas do atletismo, a modalidade mais importante dos Jogos. Assista a trechos da abertura da cerimônia de 1936:Fonte: Holocaust Encyclopedia, Olympic.org Imagem: Frame vídeo abertura da cerimônia

01.Ago.1936
Ler mais
leer menos

Tem início a Revolta de Varsóvia, na Polônia

No dia 1o. de agosto de 1944, durante a Segunda Guerra Mundial, teve início uma grande revolta dos poloneses da cidade de Varsóvia contra a ocupação nazista. O movimento foi liderado pelo general polonês Tadeusz Bor-Komorowski, comandante do exército de resistência, formado por 40 mil soldados mal equipados. Além de acelerar a liberação de Varsóvia, este exército tinha conexão com o governo polonês que vivia no exílio em Londres. Os guerrilheiros também eram ideologicamente anticomunistas e tinham planos de conquistar o controle, ao menos parcial, de Varsóvia antes da chegada dos soviéticos. Apesar de algumas conquistas iniciais obtidas pelos poloneses, a libertação soviética da cidade era inevitável.

Diante da revolta em Varsóvia, o líder nazista Adolf Hitler ordenou aos seus comandados que a resistência polonesa fosse aniquilada a todo o custo. A elite da SS nazista dirigiu a força de defesa alemã, que incluía a Brigada Kaminiski de prisioneiros russos e a Brigada Dirlewanger de condenados alemães. Em combates brutais de rua, os poloneses foram gradualmente superados pelo poder de fogo alemão. À medida que os rebeldes eram vencidos, os nazistas, deliberadamente, arrasaram grande parte da cidade e massacraram muitos civis. Enquanto isso, os soviéticos faziam o seu caminho para chegar a Varsóvia. O Exército Vermelho ganhou espaços na ponte através do rio Vístula, mas não ajudou os rebeldes em Varsóvia. Os soviéticos também rejeitaram um pedido dos britânicos de usar bases aéreas soviéticas para o transporte aéreo de suprimentos para os poloneses sitiados. Os rebeldes e os cidadãos da cidade ficaram sem remédios, alimentos e, eventualmente, sem água. Finalmente, em 2 de outubro, houve a rendição dos rebeldes poloneses sobreviventes, incluindo Bor-Komorowski.

Durante o calvário de 63 dias, morreram três quartos do exército de resistência e 200 mil civis. O lado alemão também contou com consideráveis baixas: 10 mil mortos, 9 mil feridos e 7 mil desaparecidos. Durante os próximos meses, as tropas alemãs deportaram a população sobrevivente e esquadrões de demolição destruíram as construções que permaneceram intactas em Varsóvia. Todos os seus grandes tesouros foram saqueados ou queimados. O Exército Vermelho permaneceu fora de Varsóvia, até janeiro de 1945, quando a ofensiva soviética final contra a Alemanha começou. Varsóvia, uma cidade em ruínas, foi libertada em 17 de janeiro. Com Varsóvia fora do caminho, os soviéticos enfrentaram uma oposição pouco organizada e puderam estabelecer um governo comunista na Polônia.

 

Imagem: Juliusz Bogdan Deczkowski [Domínio público], via Wikimedia Commons

01.Ago.1944
Ler mais
leer menos