julho 2017

jul 22

Começam as deportações do gueto de Varsóvia para Treblinka

No dia 22 de julho de 1942 teve início a deportação sistemática dos judeus do gueto de Varsóvia, como milhares deles sendo diariamente transportados para o recém-construído  campo de concentração/extermínio em Treblinka, na Polônia.

Em 17 de julho, Heinrich Himmler, chefe da polícia SS, chegou a Auschwitz, o campo de concentração no leste da Polônia, a tempo de ver a chegada de mais de 2.000 judeus holandeses e a morte por gás de quase 500 deles, principalmente os idosos, doentes e os mais jovens. No dia seguinte, Himmler promoveu o comandante do campo Rudolph Hoess a comandante da SS principal e ordenou o despovoamento do gueto de Varsóvia - o bairro judeu construído pelos nazistas após a ocupação da Polônia, fechada pela primeira vez por arame farpado e, em seguida, por paredes de tijolo. Ou seja, era para ocorrer a "limpeza total", como ele descreveu, e os habitantes deveriam ser transportados para o que viria a ser um segundo campo de extermínio, construído na vila ferroviária de Treblinka, a 62 quilômetros a nordeste de Varsóvia.

Nas primeiras sete semanas após a ordem de Himmler, mais de 250 mil judeus foram levados para Treblinka por via férrea e mortos com gás, marcando o maior ato único de destruição de qualquer grupo populacional, judeus ou não-judeus, civis ou militares, na guerra. Na chegada ao "T. II", como este segundo acampamento em Treblinka foi chamado, os presos eram separados por sexo, despidos e conduzidos às “casas de banho”, que, na realidade, eram câmaras de gás. O primeiro comandante do T. II foi o Dr. Irmfried Eberl, de 32 anos, o homem que dirigiu o programa de eutanásia de 1940 e tinha muita experiência com uso de gás para matar pessoas, especialmente crianças. Ele forçou várias centenas de ucranianos e cerca de 1.500 prisioneiros judeus para ajudá-lo neste tarefa. Eles tinham que remover dentes de ouro das vítimas antes de transportar os corpos para valas comuns. Eberl foi demitido das suas funções por "ineficiência", pois, ao que tudo indica, ele e seus trabalhadores não conseguiram remover os cadáveres rápido o suficiente, e o pânico ficou instaurado dentro dos vagões dos prisioneiros recém-chegados.

Até o final da guerra, entre 700 mil e 900 mil morreriam tanto no Treblinka I ou II. Hoess foi julgado e condenado à morte pelo Tribunal de Nuremberg. Ele foi enforcado em 1947.

 

Imagem: via Wikimedia Commons

22.Jul.1942
Ler mais
leer menos