Filtrar

Login

O inicia sesion con...

History Logo
Aplicar

HOJE É O ANIVERSÁRIO DE: 0

El envio se ha realizado con éxito

Cerrar
Enviales que paso el día de tu cumple
  • Josefina Maier
  • Stanislas Wawrinka
  • Alejandro Giardino
  • Paul Simonon
  • Joe Strumer
Enviar

julho 2017

18 de julho
2008 D.C.

“Batman: O Cavaleiro das Trevas” estreia com a maior bilheteria de um final de semana

Sexta, Julho 18, 2008 D.C.

Em 18 de julho de 2008, “Batman: O Cavaleiro das Trevas”, o quinto filme da franquia cinematográfica de Batman estreou nas salas de todos os EUA, seis meses após a morte de uma de suas estrelas, Heath Ledger, que interpretava o Coringa....Ler mais

Em 18 de julho de 2008, “Batman: O Cavaleiro das Trevas”, o quinto filme da franquia cinematográfica de Batman estreou nas salas de todos os EUA, seis meses após a morte de uma de suas estrelas, Heath Ledger, que interpretava o Coringa. “Batman: O Cavaleiro das Trevas” bateu o recorde anterior de “Homem-Aranha 3”, de 2007, para alcançar a maior bilheteria de um final de semana de qualquer filme da história, arrecadando cerca de 158 milhões de dólares. Ledger, que havia recebido uma indicação ao Oscar por sua performance em “O Segredo de Brokeback Mountain” (2005), morreu aos 28 anos, de um overdose acidental de drogas em 22 de janeiro de 2008. Heath Ledger nasceu em 4 de abril de 1979, em Perth, na Austrália, e, quando era adolescente, atuou em séries e filmes locais. Seu primeiro sucesso em Hollywood foi “10 Coisas Que Eu Odeio em Você” (1999), seguido de papéis em filmes como “O Patriota” (2000), “A Última Ceia” (2000), “Coração de Cavaleiro” (2001), “Honra & Coragem – As Quatro Plumas” (2002), “Ned Kelly” (2003) e “Os Irmãos Grimm” (2005). Ledger recebeu vários prêmios, incluindo uma indicação ao Oscar de Melhor Ator por sua atuação em “O Segredo de Brokeback Mountain”, no qual ele interpreta Ennis Del Mar, o ajudante de uma fazenda em Wyoming, que vive um romance gay com o peão de rodeio Jack Twist (Jake Gyllenhaal). Depois do sucesso de “O Segredo de Brokeback Mountain”, Ledger deu vida a uma das várias encarnações do ícone da música Bob Dylan em “Não Estou Lá”, de 2007. “Batman: O Cavaleiro das Trevas”, que (como seu antecessor imediato, “Batman Begins”) foi dirigido por Christopher Nolan e estrelado por Christian Bale no papel principal, estava em pós-produção quando Ledger foi encontrado morto em seu apartamento em Nova York. Uma grande especulação da mídia se seguiu à sua morte, que, depois, foi anunciada como acidental. “Batman: O Cavaleiro das Trevas” marcou a primeira aparição de Ledger como o Coringa, o inimigo maníaco do homem-morcego. As críticas sobre a performance de Ledger foram excelentes quase universalmente, e começou um burburinho sobre a possível indicação póstuma ao Oscar – o que de fato se concretizou, com a vitória do falecido ator. Jack Nicholson interpretou o personagem em “Batman”, de 1989, o primeiro filme da franquia, que estrelava Michael Keaton como o homem-morcego. Quando faleceu, Ledger estava no meio das filmagens de “O Mundo Imaginário do Dr. Parnassus”, que foi coescrito e dirigido por Terry Gilliam (“Brazil – O Filme” e “Medo e Delírio”). Paralisada por dois meses, a produção do filme foi finalmente concluída quando três outros atores interpretaram variações sobre o personagem de Ledger. Posteriormente, foi divulgado que três atores – Johnny Depp, Jude Law e Colin Farrell – doariam seu pagamento pelo filme à filha de Ledger, Matilda, que ainda não tinha sido incluída no testamento de seu pai (que deixou sua herança para seus pais e irmãs) à época de sua morte. A mãe de Matilda é a atriz Michelle Williams, que contracenou com Ledger em “O Segredo de Brokeback Mountain”, e sua noiva de 2004 a 2007. Em setembro de 2008, o pai de Ledger anunciou que sua família havia decido doar os seus bens a Matilda. Imagem: Cristiano Betta / The Dark Knight European Premiere [CC BY 2.0], via Wikimedia Commons 

leer menos
0064 D.C.

Roma de Nero é destruída pelo fogo

Sexta, Julho 18, 0064 D.C.

Em um dia como hoje, no ano de 64, teve início um grande incêndio de Roma, que destruiu boa parte da cidade. Apesar das histórias mais conhecidas sobre o episódio, não há nenhuma evidência de que o imperador romano Nero tenha iniciado o...Ler mais

Em um dia como hoje, no ano de 64, teve início um grande incêndio de Roma, que destruiu boa parte da cidade. Apesar das histórias mais conhecidas sobre o episódio, não há nenhuma evidência de que o imperador romano Nero tenha iniciado o incêndio ou estivesse tocando violino enquanto ocorria a tragédia. Ainda assim, ele usou o desastre para seguir com seus planos políticos.

O fogo começou na favela de um distrito ao sul do lendário Monte Palatino. As casas da região queimaram rapidamente, e o fogo logo se espalhou para o norte, alimentado por ventos fortes. Durante o caos, houve relatos de grandes saques. O fogo só pode ser controlado após quase três dias. Três dos 14 distritos de Roma foram completamente destruídos; apenas quatro permaneceram ilesos após a tragédia. Centenas de pessoas morreram e milhares ficaram desabrigadas.

Embora a lenda popular diga que o imperador Nero tocava violino enquanto a cidade ardia, essa história é cercada de contradições. Antes de tudo, o violino nem sequer existia na época. Além disso, Nero era conhecido por seu talento na lira; muitas vezes ele compôs a sua própria música. Mais importante ainda, Nero estava a 56 quilômetros de distância, em Antium, quando o fogo começou. Na verdade, ele deixou seu palácio ser usado como abrigo.

As lendas em torno da responsabilidade de Nero no incêndio podem ter surgido por várias razões. Primeiramente, ele não gostava da estética da cidade e usou a devastação causada pelo fogo como motivo para mudar a arquitetura e instituir novos códigos de construção em toda a cidade. Nero também usou episódio para reprimir a crescente influência dos cristãos em Roma. Ele prendeu, torturou e executou centenas deles sob o pretexto de que estariam envolvidos com as causas do incêndio.

 

 

 

Clique aqui e saiba mais sobre a história de Nero

leer menos
1925 D.C.

Hitler publica o manifesto Mein Kampf

Sábado, Julho 18, 1925 D.C.

Sete meses depois de ter sido libertado da prisão de Landsberg, o líder nazista Adolf Hitler publicava o primeiro volume de seu manifesto pessoal, Mein Kampf (Minha Luta). Ditada por Hitler durante a sua estada de nove meses na prisão, o livro...Ler mais

Sete meses depois de ter sido libertado da prisão de Landsberg, o líder nazista Adolf Hitler publicava o primeiro volume de seu manifesto pessoal, Mein Kampf (Minha Luta). Ditada por Hitler durante a sua estada de nove meses na prisão, o livro foi uma narrativa amarga e recheada de desabafos antissemitas, o desprezo pela moralidade, o culto do poder e os planos nazistas de dominação do mundo. A obra autobiográfica logo se tornou a bíblia do Partido Nazista da Alemanha. No início de 1920, as fileiras do partido lotaram de alemães ressentidos, que eram contrários ao governo da época, à política de esquerda e semeavam ódio a outros povos, como os judeus.Em novembro de 1923, depois que o governo alemão retomou o pagamento das reparações da Primeira Guerra à Grã-Bretanha e França, os nazistas lançaram a "Beer Hall Putsch" - primeira tentativa de tomar o governo alemão pela força. Hitler esperava que sua revolução nacionalista na Baviera se espalhasse pelo exército alemão insatisfeito que, por sua vez, iria derrubar o governo em Berlim. No entanto, a revolta foi imediatamente reprimida, e Hitler foi preso e condenado a cinco anos de prisão por alta traição.Enviado para a prisão de Landsberg, ele passava o tempo ditando sua autobiografia, Mein Kampf, e trabalhando em suas habilidades de oratória. Depois de nove meses de prisão, seus partidários do Partido Nazista fizeram pressão e conseguiram a sua libertação. Durante os próximos anos, Hitler e outros líderes nazistas reorganizaram o partido como um movimento de massa fanática que obteve maioria no parlamento alemão - o Reichstag. Por meios legais, em 1932, no mesmo ano, o presidente Paul von Hindenburg derrotou Hitler em uma candidatura presidencial. Em janeiro de 1933, von Hindenburg nomeou Hitler chanceler na esperança de que o poderoso líder nazista pudesse ficar à sua sombra, como um membro do gabinete do presidente.No entanto, Hindenburg subestimou a audácia política de Hitler, e um dos primeiros atos do novo chanceler foi usar o episódio do incêndio do edifício do Reichstag como pretexto para convocar eleições gerais. A polícia nazista de  Hermann Goering reprimiu boa parte da oposição ao partido antes da eleição, e os nazistas conquistaram a maioria. Pouco depois, Hitler assumiu o poder absoluto através dos atos políticos. Em 1934, Hindenburg morreu, e os últimos remanescentes do governo democrático da Alemanha saíram do caminho, deixando Hitler livre para conduzir a nação para uma nova guerra e suas terríveis consequências. Imagem via Wikimedia Commons

leer menos

Páginas

Loading