Todos os horários

Cientologia: os segredos obscuros da religião dos famosos

O documentário “Going Clear: Scientology and the Prison of Belief”, do diretor norte-americano Alex Gibney, revela segredos macabros sobre a controversa religião adotada por famosos.

A Cientologia é um sistema de crenças criado nos EUA na década de 50. Após duras batalhas judiciais, a Igreja da Cientologia conseguiu receber o status de religião em vários países do mundo, como os EUA, Reino Unido, Itália e Espanha, enquanto em outros ela é considerada um culto ou até mesmo uma empresa.

Seus seguidores, entre os quais estão celebridades como Tom Cruise e John Travolta, acreditam que a raça humana foi trazida à Terra pelo ditador extraterrestre Xenu e que é necessário lembrar e curar os traumas de sucessivas encarnações para chegar à paz interior e, finalmente, à paz mundial.

No documentário, ex-integrantes da igreja contam como foram maltratados, humilhados e ameaçados durante sua passagem pela instituição. Entre as acusações, está a de usar a violência física e psicológica para evitar que os membros abandonem o culto. Além disso, é revelada uma rede complexa de corrupção, pela qual a Cientologia pôde ser considerada uma religião (e, consequentemente, não pagar impostos) nos EUA.

A crença exige que seus adeptos se submetam a uma série de sessões terapêuticas pagas. Quem investe mais dinheiro, alcança os graus elevados de “sabedoria espiritual” mais rápido. A organização movimenta centenas de milhões de dólares em todo o mundo.

Veja o trailer do documentário (em inglês)



Fonte: Cultura Colectiva

Imagem: Michael Gordon / Shutterstock.com

Tom Cruise

Tom Cruise nasceu em 3 de julho de 1962, em Syracuse, Nova York. Ele começou a se interessar pelo teatro após ganhar o papel principal para a produção “Guys and Dolls”. Sua atuação em “Toque de Recolher” (1981), seu segundo longa-metragem, chamou a atenção dos críticos, e depois ele estrelaria muitos sucessos de bilheteria. Cruise se casou três vezes.

Thomas Cruise Mapother IV, mais conhecido como Tom Cruise, nasceu em 3 de julho de 1962, em Syracuse, Nova York, de Mary e Thomas Mapother. A mãe de Cruise era uma atriz amadora e professora, e seu pai um engenheiro elétrico, o que fazia com que a família se mudasse com bastante frequência. Quando Tom tinha 11 anos, seus pais se divorciaram. Como sua mãe e suas três irmãs, ele sofria de dislexia, o que atrapalhou seu rendimento escolar. No entanto, ele se destacou nos esportes e quase seguiu uma carreira na luta livre, se não fosse por uma lesão no joelho.

Aos 14 anos, Cruise se matriculou em um seminário franciscano, para se tornar um padre, porém desistiu da ideia um ano depois. Com 16 anos, um professor o encorajou a participar na produção da escola do musical “Guys and Dolls”. Depois de ganhar o papel principal como Nathan Detroit, ele se sentiu muito confortável nos palcos e assim nasceu sua carreira de ator. 

Ele, então, mudou-se para Nova York e suou, fazendo testes atrás de testes, até conseguir uma participação em “Amor Sem Fim”, de 1981, com Brooke Shields. No mesmo ano, conseguiu um papel importante no drama militar “Toque de Recolher”, com Sean Penn. Sua performance neste filme cativou inúmeros críticos e diretores e, em 1983, Cruise fez “Vidas Sem Rumo”, de Francis Ford Coppola, o qual estrelou ao lado de Emilio Esteves, Matt Dillon, Patrick Swayze e Rob Lowe – todos membros do grupo de jovens atores que a mídia do entretenimento passou a chamar de “Rat Pack”. Seu filme seguinte, “Negócio Arriscado” (1983), lucrou 65 milhões de dólares, mas ele só entraria para o primeiro time de Hollywood em 1986, com “Top Gun: Ases Indomáveis”, que foi também um enorme sucesso de público.

Depois, Cruise faria longas de sucesso crítico e comercial, como “A Cor do Dinheiro (1986), de Martin Scorsese e com Paul Newman; “Rain Man”, no qual contracenou com o vencedor do Oscar de Melhor Ator Dustin Hoffman; e “Nascido em 4 de Julho” (1989), produção que lhe rendeu indicações de Melhor Ator ao Oscar e ao Globo de Ouro.

Cruise se casou com a atriz Mimi Rogers em 1987. Foi através dela que ele se tornou adepto da Cientologia, a religião fundada pelo escritor L. Ron Hubbard. Posteriormente, Cruise atribuiria à igreja a cura de sua dislexia. O casamento com Rogers, no entanto, não durou muito e os dois se separaram em 1990. Nesse mesmo ano, Cruise fez o drama de corridas de carro “Dias de Trovão”, com a atriz australiana Nicole Kidman. Embora o filme não tenha tido sucesso com a crítica nem com o público, os dois, movidos por uma química que ia para além das telas, começaram a namorar e, na véspera do natal de 1990, casaram-se em Telluride, no Colorado. 

Em 1992, Cruise provou ser capaz de contracenar com grandes atores quando coestrelou com Jack Nicholson o drama militar judicial “Questão de Honra”, que arrecadou 15 milhões de dólares em seu primeiro final de semana e valeu a Cruise uma indicação ao Globo de Ouro. Nos anos seguintes, ele faria filmes com ótima recepção como “A Firma” (1993) e “Entrevista com o Vampiro” (1994), com Brad Pitt. Depois, vieram enormes sucessos como o blockbuster de 64 milhões de dólares “Missão: Impossível” (1996), que também foi produzido por Cruise, e o bastante aclamado “Jerry Maguire: A Grande Virada” (1996), que lhe proporcionou uma segunda indicação ao Oscar e um Globo de Ouro de Melhor Ator.  

Cruise e Kidman passaram grande parte de 1997 e 1998 na Inglaterra, filmando “De Olhos Bem Fechados”, um thriller erótico que seria o último filme do diretor Stanley Kubrick. O longa foi lançado em 1999 e, naquele mesmo ano, Cruise apareceu no filme de grande elenco “Magnólia”. Sua performance, como o guru do sexo autoconfiante lhe valeu outro Globo de Ouro e mais uma indicação ao Oscar por Melhor Ator Coadjuvante. Em seguida, vieram o grande e esperado sucesso “Missão: Impossível 2” (2000), “Vanilla Sky” (2001) e “Minority Report: A Nova Lei” (2002), de Steven Spielberg. Cruise começou 2003 com uma viagem à Austrália para filmar o longa de 100 milhões de dólares “O Último Samurai”. Em 2005, ele se uniu novamente a Steven Spielberg para o megassucesso de “Guerra dos Mundos”, que arrecadou mais 230 milhões de dólares.

O casamento com Nicole Kidman foi conturbado e, por vários anos, eles tiveram que defender sua felicidade. Eles processaram dois tabloides por histórias caluniosas e, em ambos os casos, receberam uma retratação pública e um pedido de desculpas, junto com uma indenização monetária, que doaram à caridade. Mas, em 5 de fevereiro de 2001, eles anunciaram sua separação, após 11 anos de casamento, seguida de um divórcio. 

Em 2006, após alguns anos de namoro, Cruise finalmente se casou com Katie Holmes, com quem teve uma filha, Suri, no mesmo ano. Nessa época, Cruise foi notícia em todo o mundo por sua defesa aberta à Cientologia. Ele criticou a atriz Brooke Shields por utilizar antidepressivos em uma recuperação pós-parto e fez críticas à psiquiatria e à medicina moderna, afirmando que a Cientologia tinha a chave para a cura verdadeira. Em 2012, após mais de 5 anos de casamento, ele se separou de Holmes.

Após “Missão: Impossível 3” (2006), que teve bom desempenho nas bilheterias, Cruise sofreu uma baixa na sua carreira profissional, quando a Paramount Pictures encerrou uma parceria de 14 anos com o ator. O presidente da empresa alegou o comportamento instável e suas opiniões controversas como a razão da separação, mas especialistas da indústria afirmaram que é mais provável que o fim da parceria tenha ocorrido por causa dos lucros elevados de Cruise na franquia “Missão: Impossível”. No entanto, o ator se recuperou rapidamente e, no final de 2006, já estava anunciando sua nova parceria com a produtora Paula Wagner e a United Artists. Ele aceitou estrelar e produzir filmes lançados pela UA enquanto Wagner seria a CEO.  

O primeiro longa da parceira foi o drama político “Leões e Cordeiros” (2007), que, infelizmente, foi uma decepção comercial, mesmo com um elenco forte, que incluía Meryl Streep e Robert Redford. No ano seguinte, Cruise deliciou as plateias com um pequeno papel na comédia de sucesso “Trovão Tropical” (2008), com Robert Downey Jr., Jack Black e dirigida e estrelada por Bem Stiller. Ele abandonou sua marca registrada de galã para interpretar um executivo de estúdio careca e obeso. No final de 2008, lançou seu segundo projeto com a United Artists, “Operação Valquíria”, um drama da Segunda Guerra Mundial sobre um plano para assassinar o ditador alemão, Adolf Hitler. Cruise interpretou um oficial do exército alemão envolvido com a conspiração. Em 2011, ele retornou à sua franquia mais popular com “Missão Impossível: Protocolo Fantasma”, que arrecadou mais de 200 milhões de dólares. 

Em 2012, mudando novamente de território, estrelou o musical “Rock of Ages: O Filme”. Sua atuação, como uma estrela do rock, teve boas críticas, mas a produção não foi bem nas bilheterias. No mesmo ano, ele trouxe um personagem da literatura para as telas no drama criminal “Jack Reacher: O Último Tiro”. Em 2013, Cruise estrelou a ficção científica “Oblivion”, ao lado de Morgan Freeman e, no ano passado, fez outro filme do gênero, “No Limite do Amanhã”, no qual contracena com Emily Blunt. Para este ano, está previsto um novo filme da franquia “Missão Impossível”.

 


Imagem: Georges Biard [CC BY-SA 3.0], via Wikimedia Commons