Todos os horários

As fotografias que permitiram a ascensão do ISIS ao poder

Muitas pessoas acreditam que as reveladoras fotografias das torturas praticadas por agentes americanos na prisão de Abu Ghraib estão diretamente ligadas à ascensão do ISIS ao poder. Assista ao vídeo e saiba mais:

01.Feb.2010

Mulher-bomba se explode durante peregrinação em Bagdá

No dia 1 de fevereiro de 2010 uma mulher-bomba provocou a morte de ao menos 54 pessoas em Bagdá, no Iraque. Outras 106 pessoas ficaram feridas no ataque. O atentado ocorreu durante uma peregrinação de xiitas no nordeste da cidade.

 

Uma mulher acionou os explosivos em seus coletes no meio dos peregrinos que tinham como destino a cidade de Karbala, a 80 quilômetros de Bagdá. As pessoas seguiam para um festival religioso, o Arbaeen, que celebra o fim dos 40 dias de luto da morte do neto do profeta Maomé.

 

 


 

Imagem: serkan senturk / Shutterstock, Inc.

03.Feb.2007

Suicida em caminhão-bomba mata 135 em mercado em Bagdá

Em um dos piores ataques a bomba de Bagdá, um terrorista suicida provocou a morte de 135 pessoas no dia 3 de fevereiro de 2007.  Esse foi o atentado a bomba em Bagdá mais fatal desde 2003.

 

O terrorista explodiu um caminhão carregado com uma tonelada de explosivos em um movimentado mercado xiita, em pleno sábado. Ao menos 300 pessoas ficaram feridas, segundo a polícia. A explosão acabou com barracas e destruiu as fachadas das lojas. O mesmo mercado já havia sido alvo de três carros-bomba em dezembro de 2006, quando 51 pessoas morreram.

 

O primeiro-ministro iraquiano na época, Nuri al-Maliki, atribuiu o ataque a partidários de Saddam Hussein e a outros militantes sunitas. 

 

O grave ataque ocorreu em um momento em que tropas dos Estados Unidos e do Iraque tentavam conter o conflito entre sunitas e xiitas no país e quando o governo de Maliki tentava controlar grupos que desafiavam o seu poder.

 


Crédito: Angela N Perryman / Shutterstock, Inc.

12.Jun.2016

Ataque à boate Pulse, em Orlando, deixa 50 mortos

No dia 12 de junho de 2016, a boate Pulse, em Orlando, na Flórida, nos EUA, foi alvo de um atentado terrorista, que resultou na morte de 50 pessoas, deixando outras 53 feridas. Conhecido por ser um reduto gay, o local foi atacado por Omar Mir Seddique Mateen de 29 anos, um norte-americano de origem afegã. Ele usou um rifle semi-automático e um revolver para realizar o ataque. 

 

Omar, que seria frequentador do local, começou a atirar em todos que estavam no ambiente por volta de 3h da madrugada de 12 de junho. Após mais de três horas com reféns e trocando tiros com a polícia, ele foi morto em torno de 7h da manhã. O Estado Islâmico (ISIS) reivindicou o ataque, e Omar teria feito uma ligação ao serviço de emergência durante o tiroteio, jurando lealdade ao ISIS. Já o pai de Omar, Mir Seddique, disse em entrevista à rede NBC que o atentado teria sido motivado por razões homofóbicas. Há também suspeitas de que o atirador teria uma vida homo-afetiva secreta.

 

 


 

Imagem: Rick Singh, Orange County Property Appraiser http://ocpafl.org. The original uploader was Xaosflux at English Wikipedia ThiefOfBagdad at English Wikipedia. [Domínio Público], via Wikimedia Commons

Números impressionantes contam a tragédia do 11/09

As imagens dos atentados terroristas de 11 de setembro nos Estados Unidos em 2001 jamais permitirão que aquele triste dia seja esquecido. 

Por trás das cenas de 15 anos atrás, números não nos deixam esquecer uma realidade que muitos podem sentir até hoje. Quantas crianças perderam os seus pais? Quantas pessoas ficaram feridas? Quantas pessoas nos EUA conhecem alguém que morreu no atentado?

Veja abaixo incríveis números que ajudam a contar um pouco dessa história.


- 2.823 pessoas morreram;

- 1.402 morreram na Torre 1;

- 614 morreram na Torre 2;

- 658 morreram no edifício Cantor Fitzgerald; 

 - 343 das vítimas trabalhavam em equipes de socorro (incêndio e médicos), 23 eram policiais e 37 guardas;

 - 6 mil pessoas ficaram feridas;

- Para cada mulher que morreu, 3 homens morreram no atentado;

 - A maioria dos mortos tinham entre 35 e 39 anos;

 - 9% dos mortos eram latino-americanos;

 - 50 mil pessoas trabalhavam no World Trade Center;

 - Era possível avistar as torres queimando a 20 km de distância;

 - 69 dias após o ataque ainda havia fogos subterrâneos;

 - Foram necessários 230 dias de buscas por corpos;

- Mais de 19.500 partes de corpos foram encontradas;

- 291 corpos foram recuperados intactos;

- Foram identificadas 1.102 vítimas;

- 1.616 atestados de óbito foram concedidos por pedidos de famílias;

- 1.300 crianças ficaram órfãs após o ataque;

- 17 bebês nasceram de mulheres cujos maridos morreram naquele dia;

- O estresse pós-traumático aumentou 200% em Manhattan;

- Mais de 10 mil alunos da rede pública sofrem de stress pós-traumático;

- 36 mil litros de sangue foram doados em transfusões centro de Nova York;

- 1.609 pessoas perderam seus parceiros;

- 3.051 crianças perderam um dos pais;

- 20% dos americanos conhece alguém que morreu nos ataques;

- 98 veículos foram destruídos;

- 1.506.124 toneladas de detritos foram removidas do local;

- O índice Dow Jones caiu 684.81 pontos quando o mercado reabriu;

- 26 dias depois do do 11-9, os EUA começaram a bombardear o Afeganistão;

- US$ 105 bilhões foram a perda econômica de Nova York nos meses seguintes aos ataques;

- US$ 600 milhões foi o custo para limpar a bagunça;

 - US$ 1,4 bilhão foram doados para a caridade;

- US$ 40,2 bilhões foram pagos pelas companhias de seguros;

 - US$ 7,5 bilhões foram necessários para reparar os metrôs de Manhattan; 

- US$ 1 milhão foi concedido a cada pessoa que perdeu seu cônjuge;

- Aumentaram em 40% as inscrições para Organizações Paz entre 2001 e 2002.

 

 


Fonte: TN
Imagem: Dan Howell / Shutterstock.com

 

Conheça cinco teorias da conspiração ainda vivas sobre o 11/09

Quinze anos depois dos atentados brutais contra os EUA no 11 de setembro, as teorias mais estranhas e improváveis continuam assombrando o imaginário das pessoas.

A seguir, uma lista das cinco hipóteses conspiratórias mais famosas:

A Torre 7: o edifício anexo às Torres Gêmeas foi derrubado às 17:20 do dia 11 de setembro de 2001, devido aos efeitos combinados dos escombros provenientes dos edifícios atacados e dos vários incêndios que o fogo vizinho desencadeou no seu interior. Os amantes da conspiração afirmam que se tratou de um colapso controlado, causado por bombas incendiárias e explosivos.

O voo 93: o quarto avião sequestrado durante a trágica manhã caiu sobre a pequena cidade de Shanksville, na Pensilvânia, depois que os passageiros deram início a uma rebelião no seu interior para impedir que os terroristas cumprissem sua missão. Embora não haja nenhuma prova sobre isso, circulam na internet vários boatos de que o voo foi derrubado por um míssil do exército norte-americano.

Ataque ao Pentágono: Há duas teorias conspiratórias em torno do ataque ao Pentágono. A primeira sugere que não foi um avião comercial que se chocou contra a sede do Departamento de Defesa dos EUA, mas um míssil ou um voo não tripulado. A segunda afirma que o atentado foi feito pelo próprio Pentágono e não pela Al-Qaeda, como diz a versão oficial.

A queda das Torres Gêmeas: A teoria mais difundida entre os que duvidam da veracidade do relato oficial sugere que as Torres Gêmeas não caíram por causa do impacto dos aviões, mas devido a diversos explosivos que teriam sido colocados no interior do complexo em cumplicidade com o governo Bush. Todavia, não existe nenhuma prova sobre isso.

Cumplicidade militar: Há muitos boatos de que, para realizar um ataque com a grandeza do ocorrido no 11 de setembro, os terroristas contaram com o apoio secreto do exército dos EUA. Diz-se que uma força militar tão poderosa quanto a norte-americana teria sido capaz de derrubar os aviões sequestrados. No entanto, há provas de que os atentados pegaram as forças armadas de surpresa e por isso elas não foram capazes de impedir as colisões.

 


Fontes: EsquireBBC
Imagem: Flickr user TheMachineStops (Robert J. Fisch)derivative work: upstateNYer (UA_Flight_175_hits_WTC_south_tower_9-11.jpeg) [CC BY-SA 2.0], via Wikimedia Commons

 

Filho de bin Laden promete vingança contra os EUA

O filho do saudita Osama bin Laden não irá descansar até vingar a morte do fundador da organização terrorista Al Qaeda.

Hamza bin Laden prometeu continuar a luta do grupo numa escalada global contra os EUA e seus aliados. Suas ameaças estão em um discurso em áudio de 21 minutos chamado "We Are All Osama" (Somos Todos Osama), de acordo com o SITE Intelligence Group.

"Vamos continuar golpeando vocês, no seu país e fora dele, em resposta à sua opressão ao povo da Palestina, Afeganistão, Síria, Iraque, Iêmen, Somália e terras muçulmanas que não sobrevivem à sua opressão," ameaçou.

Osama bin Laden foi morto em uma ação militar conduzida pelo exército norte-americano em 2011. O terrorista foi executado em seu esconderijo no Paquistão. O saudita foi o fundador da Al Qaeda, organização terrorista a qual é atribuída a realização dos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001 contra os Estados Unidos.

Hamza, que agora tem vinte e poucos anos, estava ao lado de seu pai no Afeganistão antes dos ataques de 11/9 e também passou um tempo com ele no Paquistão, de acordo com o Instituto Brookings.

Apresentado à organização pelo novo chefe Ayman al-Zawahiri, em uma mensagem de áudio no ano passado, Hamza oferece uma voz mais jovem para um grupo cujos líderes estão envelhecendo e encontrando dificuldades em inspirar novos militantes em comparação ao Estado Islâmico.

"Hamza fornece uma nova cara para a Al Qaeda, que se conecta diretamente ao fundador do grupo. Ele é um inimigo articulado e perigoso", observa Bruce Riedel, do Instituto Brookings.


Fonte: Reuters

Imagem: Reprodução/YouTube 

12.Jul.2013

Malala Day - ONU declara o Dia de Malala

No dia 12 de julho de 2013, a ONU declarou o Dia de Malala (Malala Day), em homenagem à garota paquistanesa Malala Yousafzai, sobrevivente de um atentado após levar um tiro na cabeça de um extremista Talibã. Ela conduziu um discurso na sede das Nações Unidas, em Nova York, nos EUA. No dia, Malala também comemorava o seu 16o. aniversário.

O discurso da garota na sede da ONU foi sua primeira aparição pública desde o atentado que sofreu. Malala foi atingida por um extremista com um tiro na cabeça na tarde do dia 9 de outubro de 2012. Um homem armado entrou num ônibus escolar e atirou em Malala, no norte do Paquistão, no distrito do Swat.

"Malala Day não é o meu dia. É um dia de toda mulher, toda jovem, toda pessoa que luta pelos seus direitos. Há centenas de ativistas lutando. E eu estou aqui de pé, não por mim, mas por aqueles que batalham para viver em paz, por oportunidades, por educação", disse a garota.

 

Paquistão

Malala era conhecida por seu ativismo pelo direito por educação das garotas no Paquistão, e, por isso, virou alvo dos extremistas, que pregavam contra a necessidade do ensino para meninas. O pai de Malala era dono de uma escola e também ativista da educação. Malala concedia entrevistas, tinha contato com a imprensa ocidental e também escrevia com um pseudônimo em um blog para a BBC em urdu (idioma do Paquistão).

Após o ataque, Malala recebeu tratamento médico no hospital Queen Elizabeth Hospital em Birmingham, na Inglaterra, onde a garota vive. Desde o atentado, sua história despertou grande interesse da comunidade internacional.

Malala se tornou uma influente voz na luta pelo direito de meninas à educação. Aos 17 anos, ela se tornou a mais jovem ganhadora do Prêmio Nobel da Paz. Em 2013, 2014 e 2015, as edições da revista Time destacaram Malala como uma das "100 Pessoas mais influentes do mundo." O livro "Eu Sou Malala", de Christina Lamb, conta a história da garota.

 


 

Imagem: JStone/Shutterstock.com

Ex-agente do governo diz ter provas de que 11/09 foi trabalho interno dos EUA

Um norte-americano afirma ter provas em vídeo de que a administração de George W. Bush esteve envolvida nos ataques de 11 de setembro de 2001.

Kurt Sonnenfeld, então com 39 anos, trabalhava para a Federal Emergency Management Agency (FEMA) do governo norte-americano logo depois que as torres caíram em Nova York. Ele ganhou acesso irrestrito ao Ground Zero e foi incumbido de filmar tudo o que encontrasse pela frente, de acordo com o que contou ao jornal The Sun.

Sonnenfeld, no entanto, resolveu não entregar a filmagem, alegando que havia descoberto evidências chocantes, que provavam que o governo dos EUA tinha conhecimento prévio do ataque terrorista aos prédios.  

Segundo conta, abaixo do World Trade Center 6, ele encontrou um cofre vazio, cujo conteúdo teria sido retirado antes do impacto dos aviões, indicando que alguém teria sido avisado do que iria ocorrer.

Fuga para a Argentina

Após suas descobertas, Sonnenfeld acredita que sua vida começou a desmoronar. Ele foi preso, acusado pela morte da sua esposa pouco tempo depois, quando ela foi encontrada com uma bala na cabeça.

Apesar das acusações contra ele terem sido retiradas, ele fugiu dos EUA e agora vive na Argentina, onde se casou e é pai de duas filhas. Sonnenfeld diz que teme que seja preso para ser silenciado - a polícia já reabriu o caso sobre a morte de sua esposa algumas vezes. 

"EUA sabiam"

Em um documentário na Argentina, o norte-americano disse: "uma coisa que eu tenho certeza é que as agências de inteligência dos Estados Unidos sabiam o que ia acontecer, ou pelo menos deixaram acontecer. Não só sabiam, como de fato colaboraram." 

O ex-agente da FEMA também acredita que o colapso do WTC 7 é mais uma prova disso. O prédio construído com aço desmoronou sozinho nove horas após os ataques contra as torres. Até hoje a queda do prédio é um mistério e serve para alimentar as mais variadas teorias sobre os atentados terroristas daquele triste dia. Para Sonnenfeld, essa seria mais uma prova de que tudo não passou de um "trabalho interno" dos EUA.


 


Fonte: Unilad, The Sun

Imagem: Flickr user TheMachineStops (Robert J. Fisch)derivative work: upstateNYer (UA_Flight_175_hits_WTC_south_tower_9-11.jpeg) [CC BY-SA 2.0], via Wikimedia Commons

Saiba quais foram as piores matanças dos últimos 25 anos nos EUA

O massacre na boate gay Pulse, em Orlando, na Flórida, é considerado o pior tiroteio em massa da história moderna dos EUA.

Orlando se encontra em estado de emergência após o tiroteio em um clube noturno, que deixou pelo menos 50 mortos e um número aproximado a este de feridos. Trata-se de uma nova tragédia que se soma à extensa lista de matanças similares, desde a escola secundária de Columbine, no Colorado, em 1999, até o massacre de crianças, em Sandy Hook, Connecticut, em 2012.

A lista dos piores massacres, ocorridos nos últimos 25 anos, é, infelizmente, bastante extensa:

Orlando, Flórida, 2016 – 50 mortos: Omar Mateen disparou contra frequentadores de uma boate gay.

Universidade Virginia Tech, 2007 – 32 mortos: Seung-Hui Cho, estudante, disparou contra seus companheiros.

Sandy Hook, Connecticut, 2012 – 27 mortos: Adam Lanza disparou contra crianças de 6 e 7 anos.

Killeen, Texas, 1991 – 23 mortos: George Hennard abriu fogo contra clientes de um café.

San Bernardino, Califórnia, 2015 – 14 mortos: Syed Rizwan Farook e Tashfeen Malik abrem fogo nas instalações de um escritório comercial.

Fort Hook, Texas, 2009 – 13 mortos: o major Nidal Malik Hasan dispara à queima-roupa em uma base militar.

Binghamton, Nova York, 2009 – 13 mortos: Jiverly Wong massacra um grupo de imigrantes em um centro comunitário.

Littleton, Colorado, 1999 – 13 mortos: Eric Harris e Dylan Kelbold assassinam muitos colegas na escola secundária de Columbine.



Fonte: BBC 

Imagem: nito/Shutterstock.com