Todos os horários

Conheça a maldição indígena que teria matado vários presidentes dos EUA

Existe uma maldição, segundo a crença popular, embora com implicações muito reais, que perseguiu de forma mortal os presidentes norte-americanos desde 1840 até 1960, sem exceção.

Também conhecido como Tecumtha, ou Tekamthi, o cacique Tecumseh, líder nativo da tribo indígena Shawnee, foi derrotado durante a batalha de Tippercanoe pelo governador do recém-estabelecido território de Indiana, William Henry Harrison, em 1811. Porém, antes de morrer, Tecumseh rogou uma poderosa maldição de morte repentina contra os Grandes Pais Brancos, como vingança pela dor causada ao seu povo.

Alguns anos depois, a maldição indígena começou a surtir efeito. William Henry Harrison foi eleito presidente dos EUA em 1840 e, alguns meses depois, em abril de 1841, morreu em decorrência de uma pneumonia. Até os dias de hoje, foi o governante por tempo mais curto na histórica democrática norte-americana.

Em 1860, Abraham Lincoln chegava à presidência e, cinco anos depois, foi assassinado pelo ator John Wilkes Booth, logo após começar seu segundo mandato.

James A. Garfield vencia as eleições de 1880 e apenas alguns meses depois era assassinado pelo advogado Charles Jules Guiteau, no salão de espera da estação de trens de Washington.

Vinte anos depois, embora tenha sido uma reeleição, o presidente William McKinley era assassinado pelo anarquista Leon Czolgosz.

Os dois próximos presidentes americanos morreram por causas naturais, supostamente: Warren G. Hardin, eleito em 1920, morreu oficialmente em consequência de um derrame, embora haja suspeitas de envenenamento. Franklin D. Roosevelt, reeleito em 1940 para o seu terceiro mandato, morreu de uma hemorragia cerebral.

A longa lista de presidentes americanos afetados pela maldição indígena chegou ao fim no mandato de John F. Kennedy, eleito em 1960 e assassinado em 1963. Desde então, com a presidência de Ronald Reagan, eleito em 1980, os efeitos da maldição começaram a desaparecer. Reagan esteve prestes a ser assassinado em 30 de março de 1981, em Washington, quando John Hinckley atirou nele. Mas Reagan sobreviveu e morreu em 2004, aos 93 anos.

Fonte: curistoria.com 

Imagem: moomsabuy / Shutterstock.com

Ronald Reagan

Nascido em Tampico, Illinois, em 6 de fevereiro de 1911, Ronald Reagan escolheu inicialmente uma carreira na indústria cinematográfica, atuando em mais de 50 filmes. Em Hollywood, ele foi presidente do Screen Actor’s Guild (SAG) e conheceu sua futura mulher, Nancy (Davis) Reagan.  Reagan foi governador da Califórnia por dois mandatos. Originalmente um liberal democrata, ele concorreu à presidência dos EUA como um republicano conservador e teve dois mandatos, com início em 1980.

Ronald Wilson Reagan nasceu em 6 de fevereiro de 1911, em Tampico, Illinois, de John Edward “Jack” Reagan e Nellie Wilson Reagan. Seu pai o apelidou de “Dutch” (holandês, na tradução) dizendo que ele parecia um pequeno e gordo homem holandês. Nos seus primeiros anos de vida, sua família viveu em várias cidades, finalmente se estabelecendo em Dixon, Illinois, em 1920, onde Jack Reagan abriu uma loja de sapatos.

 

Mais de 50 filmes

A política é como o show business: você tem uma estreia fantástica, desliza por algum tempo e termina num inferno.

Em 1928, Ronald se formou na Dixon High School, e lá, além de atleta, ele também era presidente do corpo estudantil e atuava nas peças escolares. Durante suas férias de verão, ele trabalhava como salva-vidas. Após estudar na Eureka College, em Illinois, como atleta bolsista, Reagan se formou em economia e sociologia. Lá, ele jogava futebol americano, corria em pistas, era capitão da equipe de natação e presidente do conselho estudantil, além de atuar nas produções da universidade. Depois de sua graduação, em 1932, ele começou a trabalhar como locutor de uma rádio esportiva em Iowa.

Em 1937, Reagan assinou um contrato de 7 anos com a Warner Brothers. Ao longo das três décadas seguintes, ele apareceu em mais de 50 filmes. Entre seus papéis mais conhecidos, está o de George Gipp, jogador do time de futebol americano, na sua biografia “Criador de Campeões”. Outro papel famoso é o do filme “Em Cada Coração”, de 1942, no qual seu personagem tem as pernas amputadas.

 

Casamento com Nancy Davis

Política é a segunda profissão mais antiga do mundo, muito semelhante à primeira, aliás.

Em 1940, Reagan se casou com a atriz Jane Wyman, com quem teve Maureen e o filho adotivo Michael. Os dois se divorciaram em 1948. Durante a Segunda Guerra Mundial, ele foi dispensado de seu dever por causa de um problema nos olhos e passou seu tempo no exército, fazendo filmes de treinamento. Reagan deixou as forças armadas com a patente de capitão. De 1947 a 1952, ele foi presidente do Screen Actor’s Guild (SAG). Nesse período, conheceu a atriz Nancy Davis, que havia procurado sua ajuda após ser inclusa por engano como simpatizante comunista na “Lista negra de Hollywood”. Eles se casaram em 1952 e tiveram dois filhos, Patricia e Ronald.

 

Política

Todas as grandes mudanças na América começam à mesa de jantar.

Com uma carreira mais estável, Reagan conseguiu um emprego como apresentador da série dramática e semanal para a TV General Electric Theater, em 1954. Parte de sua responsabilidade como apresentador era fazer turnês pelos EUA como um representante de relações públicas da General Electric. Foi durante esse período que sua visão política passou de liberal para conservadora.

Ele conduzia discussões políticas, manifestando-se contra a regulamentação excessiva do governo e do desperdício de gastos – temas centrais na sua futura carreira política. Reagan entrou para os holofotes da política em 1964, quando fez um discurso na TV bem recebido pelo republicano e candidato à presidência Barry Goldwater, um notório conservador.

 

Presidente dos EUA

Dois anos depois, em sua primeira corrida a um cargo público, Reagan derrotou o incumbente democrata Edmund “Pat” Brown Sr. com uma diferença de quase 1 milhão de votos, conquistando o cargo de governador da Califórnia. Ele foi reeleito para um segundo mandato em 1970. E depois de tentativas fracassadas para a indicação à presidência da república em 1968 e 1976, Reagan finalmente recebeu o assentimento do Partido Republicano em 1980. Na eleição geral daquele ano, ele derrotou Jimmy Carter e, aos 69 anos, tornou-se o mais velho presidente eleito da história dos EUA.

Em seu discurso inaugural, em 20 de janeiro de 1981, Reagan afirmou que o “governo não é a solução para os nossos problemas; o governo é o problema”. Ele convocou uma era de renovação nacional e disse torcer para que a América fosse novamente “um farol de esperança para aqueles que não têm liberdade”. Ele e sua mulher, Nancy Reagan, inauguraram uma nova era de glamour na Casa Branca, com roupas de marca e uma grande redecoração da mansão executiva.

 

Atentado

Em 30 de março de 1981, o Presidente Ronald Reagan estava saindo do Hotel Hilton, em Washington, ao lado de assessores, quando foi alvo de um atirador, John Hinckley Jr., e teve um dos pulmões perfurados pela bala, que, por pouco, não atingiu seu coração. Algumas semanas depois, ele já estava de volta ao trabalho.

No plano interno, o presidente Reagan avançou em políticas de redução de programas sociais e das restrições empresariais. Cortes de impostos foram implementados para estimular a economia dos EUA, e ele também defendeu um aumento nos gastos militares. Em 1983, a economia do país começou a se recuperar e, de acordo com muitos economistas, entrou em um período de 7 anos de prosperidade. No entanto, críticos acusaram suas políticas de, na verdade, aumentarem o déficit público e prejudicarem as classes médias e baixas. Em 1981, ele fez história ao indicar Sandra Day O’Connor como a primeira mulher da Suprema Corte dos Estados Unidos.

 

Ações bélicas

A questão mais urgente da política externa do primeiro mandato de Reagan foi a Guerra Fria. Chamando a União Soviética de “império do mal”, ele deu início a um desenvolvimento massivo de armas e tropas. Ele implantou a “Doutrina Reagan”, que prestou ajuda aos movimentos anticomunistas na África, Ásia e América Latina. Em 1983, ele anunciou a Iniciativa Estratégica de Defesa, um plano que tinha como objetivo desenvolver armas espaciais para proteger a América do ataque de mísseis nucleares soviéticos.

Em junho de 1982, Reagan enviou 800 fuzileiros navais para o Líbano, como parte de um projeto de paz mundial. Em outubro de 1983, homens-bomba atacaram o quartel da marinha em Beirute, matando 241 americanos. Naquele mesmo mês, Reagan ordenou que forças norte-americanas invadissem a ilha caribenha de Granada, depois que rebeldes marxistas depuseram o governo. Além disso, a administração Reagan teve que lidar com a relação conflituosa entre os EUA e o líder da Líbia, Muammar al-Gaddafi.

 

Muro de Berlim

Em seu segundo mandato, Reagan avançou gradualmente em uma relação diplomática com o reformista Mikhail Gorbachev, presidente da União Soviética. Em 1987, os americanos e os soviéticos assinaram um acordo histórico para abolir os mísseis de alcance intermediário. Naquele mesmo ano, Reagan discursou no Muro de Berlim, um símbolo do comunismo, e lançou um famoso desafio a Gorbachev para derrubá-lo. Vinte e nove meses depois, Gorbachev permitiu que os cidadãos de Berlim o destruíssem, dando fim à dominação soviética na Alemanha Oriental.

Depois de deixar a Casa Branca, Reagan retornou à Alemanha, em setembro de 1990 – apenas algumas semanas antes da Alemanha ser oficialmente reunificada – e, com um martelo e um cinzel em mãos, quebrou simbolicamente alguns pedaços remanescentes do muro. Seu segundo mandato, no entanto, foi manchado pelo Caso Irã-Contras, um acordo complicado com o Irã de “armas por reféns” para restringir o envio de recursos a insurgências comunistas na América Central. Embora, inicialmente, tenha negado envolvimento no caso, Reagan anunciou posteriormente que o mesmo tinha sido um erro.

 

Anos finais

Após deixar a Casa Branca, em janeiro de 1989, Reagan e sua mulher Nancy retornaram para Los Angeles. Em 1991, foi inaugurado em Simi Valley, na Califórnia, o Ronald Reagan Presidential Library. Em 1994, Reagan revelou à população americana que havia sido diagnosticado com Alzheimer. Quase uma década depois, em 5 de junho de 2004, ele faleceu em sua casa, em Los Angeles, aos 93 anos.

 


Imagem: Michael Evans [Domínio público], Wikimedia Commons

José Mujica

José Alberto Mujica Cordano, mais conhecido como Pepe Mujica, ficou conhecido como um moderno e ousado Presidente da República Oriental do Uruguai, entre 2010 e 2015. Nascido em 20 de meio de 1935, ele também é agricultor e combateu a ditadura uruguaia que governou o país entre 1973 e 1985.

O poder não muda as pessoas, só revelam quem realmente são.

Por causa de seus atos quando guerrilheiro pelo Movimento de Libertação Nacional-Tupamaros -  entre eles assaltos, sequestros e  ações contra órgãos públicos -, Mujica ficou 14 anos na prisão. Ele deixou a cadeia apenas no final da ditadura, em 1985. Mujica também foi deputado, ministro da Pecuária, Agricultura e Pesca. 

Seu mandato como presidente do Uruguai foi marcado por atos de simplicidade e também a aprovação de medidas ousadas, como o uso e o plantio de maconha no Uruguai. Mujica doava 90% do seu salário, de US$ 12.500, a instituições beneficentes e pessoas carentes, e não abriu mão de morar em sua pequena fazenda nos arredores de Montevidéu, capital uruguaia. Ele também foi Presidente Pro tempore do Mercosul até 12 de julho de 2013. Ateu, Mujica é casado com a ex-militante Lucía Topolansky há quase 40 anos.

Governar é também convencer, desmontar resistências.

Em 2015, Mujica lançou o livro “Una Oveja Negral al Poder” em que conta os bastidores da política e da diplomacia entre presidentes da América do Sul. Na obra, a presidente Dilma Rousseff é citada por conta de uma reunião secreta com um emissário uruguaio em que teria arquitetado a saída do Paraguai do Mercosul, em 2012.

 


Imagem: Roosewelt Pinheiro/ABr [CC BY 3.0 br], Wikimedia Commons

Getúlio Vargas

Getúlio Dornelles Vargas foi um político brasileiro e um presidentes de grande importância histórica para o Brasil. Vargas nasceu no dia 19 de abril de 1882, em São Borja, Rio Grande do Sul. Seus pais eram Manuel do Nascimento Vargas e Cândida Dornelles Vargas Francisca, imigrantes do arquipélago dos Açores, que, como a maioria dos habitantes do Rio Grande do Sul, veio para o Brasil em busca de melhores condições de vida.

Vargas estudou primeiro em sua terra natal e depois em Ouro Preto (MG). Em 1897, retornou ao Rio Grande e começou a sua carreira militar no ano seguinte, como soldado, com apenas 16 anos de idade. Em 1900, frequentou a Escola Preparatória e de Tática de Rio Pardo, onde permaneceu por um longo tempo até ser transferido para Porto Alegre para completar o serviço militar.

 

Carreira política

Desconfio de quem nunca me pediu nada. Geralmente, aqueles que se sentam à mesa sem apetite são os que mais comem.

Promovido a sargento, ele se envolveu na disputa entre Bolívia e Brasil na questão do estado do Acre. Em 1904, se matriculou na Faculdade de Direito de Porto Alegre, onde se formou em 1907. Trabalhou, inicialmente, como defensor público, mas logo decidiu voltar para sua cidade natal para exercer a advocacia. Interessado em política, logo estabeleceu contato com outros jovens de seu estado, participou de vários movimentos e se destacou como grande orador, o que o ajudou a ser eleito deputado estadual em 1909, 1913, 1917 e 1921.

Não tenho inimigo de quem não possa me aproximar nem amigo de quem não possa me distanciar.

Líder político, foi eleito deputado federal em 1923 e assumiu a liderança dos deputados na Assembleia Legislativa. Foi nomeado ministro da Fazenda, em 1926, pelo presidente Washington Luís, mas só ocupou o cargo por um ano para participar das eleições ao governo do Rio Grande do Sul. Vargas foi eleito e tornou-se governador de seu estado natal em 1928. Durante o seu mandato, lançou uma série de políticas que beneficiaram os moradores, além de fazer forte oposição ao governo federal.

 

Estado Novo, volta ao poder e morte

A constituição é como as virgens. Foi feita para ser violada.

Em 1930, após um processo conturbado de sucessão presidencial, onde o candidato à reeleição foi acusado de fraude eleitoral e o principal oposicionista, João Pessoa, foi morto, Washington Luís foi deposto como presidente. À frente de um movimento revolucionário, Getúlio Vargas acabou nomeado líder nacional pelo governo provisório e teve seu cargo validado nas eleições de 1934. Em 1937, estabeleceu o "Estado Novo", governo que lhe concedia todos os poderes e proibia a oposição. Seu governo durou até 1945, quando foi derrubado por um golpe militar. Depois, retornou à presidência, em 1950, após ser eleito democraticamente. Em seu mandato, promoveu uma forte política nacionalista e criou inúmeras instituições e organizações governamentais que existem até hoje no Brasil.

O mandato de Getúlio Vargas acabou de maneira trágica no dia 24 de agosto de 1954 ele deu fim à própria vida com um tiro no coração. Ele deixou uma carta testamento em que apontava os inimigos da nação como responsáveis por seu suicídio. Amado por uns e odiado por outros, é sem dúvida um dos políticos mais importantes da história brasileira e latino-americana.

 


Imagem: Governo do Brasil [Domínio público], via Wikimedia Commons

25.Oct.1969

General Médici foi eleito presidente do Brasil

No dia 25 de outubro de 1969, o general Emílio Garrastazu Médici era eleito presidente da república do Brasil por uma sessão conjunta do Congresso Nacional. Ele ficou no poder até 1974. Apesar de ter prometido que durante o seu governo seria restabelecida a democracia, sua gestão foi considerada uma das mais repressoras do Brasil. Tanto que houve denúncias de tortura, morte e desaparecimentos de presos políticos ao longo da década de 70.

 

No governo Médici foram reprimidas as guerrilhas de esquerda rurais e urbanas, assim como as manifestações populares. Se no campo da liberdade o governo Médici deixou a desejar, o mesmo não se aplica à economia. Nesta época, o Brasil viveu o período conhecido como “”Milagre Econômico”” - crescimento econômico recorde, inflação baixa e projetos desenvolvimentistas.

 

Defensor do patriotismo, também é do governo de Médici a campanha publicitária com o slogan "Brasil, ame-o ou deixe-o". Outras ações de destaque de Médici foram o acordo com o Paraguai para construção da Usina de Itaipu, o Plano de Integração Social (PIS) e o Programa de Assistência Rural (Prorural). Ainda foi promovida uma grande campanha de alfabetização de adultos por meio do Mobral.

 

Contudo, apesar dos bons indicativos econômicos, o Brasil seguia com a miséria da população e a grande desigualdade social. Após o fim do seu mandato como presidente, em 1974, Medici abandonou a vida pública. Ele faleceu aos 79 anos, no dia 9 de outubro de 1985, no Rio de Janeiro, vítima de complicações de um Acidente Vascular Cerebral (AVC). Médico era natural de Bagé (RS).

 


Imagem: Governo do Brasil [Domínio público], via Wikimedia Commons

16.May.1993

Suleymán Demirel é eleito presidente da Turquia

Suleymán Demirel foi um político turco, primeiro ministro entre 1965 - 1980 e também presidente da Turquia entre 16 de maio de 1993 e o ano 2000. Nasceu em Islamkoy em 1924. Depois de estudar Engenharia, interessou-se pela política e se afiliou ao Partido da Justiça em 1961. Três anos depois foi eleito seu presidente. Quando o partido ganhou as eleições de 1965, foi nomeado primeiro ministro. Seguiu uma política pró-ocidental moderada e obteve a reeleição em 1969, apesar de a crescente violência política do país ter levado o Exército a pedir sua destituição em 1971. No ano de 1979 a forte taxa de desemprego e o terrorismo que devastou a Turquia provocaram um golpe de Estado que destituiu Damirel em setembro de 1980. Após a aprovação da Constituição de 1982, foi afastado da política. Depois voltou a exercer a chefatura governamental, como líder do Partido Turco da Via Recta até que, em maio, a Grande Assembleia Nacional (Parlamento) o elegeu presidente da República em substituição do falecido Turgut Ozal. Seu mandato presidencial terminou sete anos mais tarde, e o presidente do Tribunal Constitucional, Ahmed Necdet Sezer, foi eleito em maio de 2000 pelo Parlamento para sucedê-lo.

 


Imagem: Pentágono [Domínio público], via Wikimedia Commons

12.Mar.1966

Suharto é nomeado presidente da Indonésia

Depois da queda de Sukarno, Suharto foi nomeado presidente da Indonésia no dia 12 de março de 1966. Ele governou o país durante três décadas, proporcionando estabilidade política e o crescimento econômico. Seu governo, contudo, acabou com a sua renúncia depois de um severo declínio na economia e corrupção interna. Ele morreu dez anos depois, deixando incerteza ao futuro político do seu país.

 

Foto: State Secretariat of the Republic of Indonesia (5 Tahun Masa Bakti Bapak Try Sutrisno) [Public domain], via Wikimedia Commons

11.Mar.1964

Raúl Leoni assume a presidência da Venezuela

Raúl Leoni foi um advogado e político venezuelano, presidente da República da Venezuela entre os anos 1964 e 1969. Lutou contra os ditadores Juan Vicente Gómez e Marcos Pérez Jiménez. Foi membro fundador do partido Ação Democrática. Tomou posse em 11 de março de 1964, sucedendo Rómulo Betancourt, ambos do partido político social-democrata Ação Democrática. Betancourt foi o primeiro presidente democrático após a derrocada da ditadura de Marcos Pérez Jiménez, e a sucessão de Leoni foi considerada como um ato de consolidação democrática. Durante seu governo, Leoni fez importantes projetos estruturais no país, entre os quais se pode destacar: desenvolvimento da indústria pesada em Guayana (hidrelétrica e siderúrgica), como a Represa do Guri, inauguração do Banco dos Trabalhadores, construção de infra-estrutura viária (estradas, rodovias, pontes - sendo a Ponte de Angostura sobre o Orinoco a mais importante).

09.Mar.1996

Jorge Sampaio assume a presidência de Portugal

Jorge Fernando Branco de Sampaio foi Presidente de Portugal desde 9 de março de 1996 até 9 de março de 2006. Seu período de governo foi marcado sempre por um senso firme de prudência e moderação, um estilo que lhe assegurou um primeiro mandato sem controvérsias. Em 2004, entretanto, sua decisão de não convocar eleições antecipadas depois da demissão do Primeiro Ministro social-democrata José Manuel Durão Barroso, foi contestada por todos os partidos de esquerda e acabou influindo na decisão de demissão do líder do Partido Socialista, Eduardo Ferro Rodrígues. Como Presidente, sua ação se centrou nos aspectos sociais e culturais. No cenário político internacional, Sampaio foi um importante colaborador para a tomada de consciência da causa pela independência do país.

 

Foto: Hermínio Oliveira/ABr (Agência Brasil), via Wikimedia Commons

05.Mar.1967

Fidel Sánchez Hernández assume a presidência em El Salvador

O General Fidel Sánchez Hernández foi um político e militar salvadorenho que assumiu a presidência de El Salvador em 5 de março de 1967. Foi adido militar da Embaixada de El Salvador, em Washington, entre 1960 e 1962. Foi Ministro do Interior (1962-1966) no governo do presidente Julio Adalberto Rivera. Foi candidato do Partido de Conciliação Nacional (PCN) nas eleições presidenciais de 5 de março de 1967. O acontecimento mais relevante de seu governo foi a Guerra contra Honduras denominada Guerra do Futebol. No final de seu governo, foi acusado de organizar uma fraude eleitoral em favor do candidato presidencial do PCN, Arturo Armando Molina. Foi finalmente declarado presidente e substituiu Sánchez Hernández. Além disso, teve que enfrentar uma tentativa de golpe de estado em 25 de março de 1972, dirigida pelo Coronel Benjamín Mejía.