Todos os horários

Catalunha proclama sua independência

O parlamento catalão declarou sua independência após uma votação que contabilizou 70 votos a favor, 10 contra e 2 em branco. O texto sancionado cita em uma de suas seções: “Constituímos a República Catalã como Estado independente e soberano, de direito, democrático e social”.

Durante o plebiscito, a presidente da Câmara, Carme Forcadell, advertiu seus representantes sobre os riscos legais que a decisão poderá acarretar. Quase imediatamente, o Senado de Madri colocou em vigência o artigo 155 da constituição espanhola, com o objetivo de conter a medida separatista.

 

A votação foi secreta por consenso dos parlamentares, a fim de obter certa proteção diante das possíveis consequências legais da ação. Além disso, Carles Puidgemont, presidente da Generalitat, presente durante a votação, se absteve de emitir qualquer comentário.

 

Mariano Rajoy afirmou que “a declaração de independência vai contra a lei e é um ato criminoso”.

 


Fonte: infobae.com

Nazistas devem voltar em breve ao parlamento alemão

Eles estão pegando carona na crise europeia para difundir ideias perigosas. 

Vídeo relacionado:
A ascensão do partido populista de direita Alternativa para a Alemanha (AfD) pode trazer “verdadeiros nazistas” de volta ao parlamento alemão. A afirmação é do ministro do Exterior, Sigmar Gabriel. 


Ele comparou os representantes do tal partido aos seguidores de Hitler. Os ultraconservadores estão aproveitando a calorosa discussão sobre migração, segurança e a crise de empregos na Europa para disseminar o terror entre os alemães. Os nazistas estão fora do Parlamento desde o fim da Segunda Guerra, em 1945.


As eleições parlamentares devem acontecer no dia 24 de setembro  e o temor do ministro é que a população compre esse tipo discurso. 


A AfD foi fundada em 2013 e ganhou popularidade depois que a crise na União Europeia aumentou. Eles são fortemente voltados contra a migração e tentam combater a abertura de fronteiras para refugiados e outros europeus.  


Pesquisas eleitorais mostram que os ultraconservadores podem conquistar entre 8% e 11% dos votos, o que já garante assento no Reichstag. 

 


Fonte: G1 

Imagem: Matt Gibson / Shutterstock

Afinal, o nazismo foi ou não foi um movimento de esquerda?

 

 

Antes de cair matando nos comentários respire fundo e leia com atenção os argumentos que põem essa relação em perspectiva.  

Em tempos de pós-verdade, em que até os fatos históricos podem ser distorcidos, uma discussão estranha deu as caras nas redes sociais nos últimos meses: seria o nazismo um movimento de esquerda? 


Há quem afirme que sim, que Hitler tinha uma ideologia voltada ao socialismo, apesar de todas as evidências que mostram o contrário. 


Quem sustenta a tese de que o nazismo era de esquerda parte de dois pressupostos principais: a palavra “socialista” no nome do partido nazista e a estatização da propriedade privada. 


Mas será que isso é o bastante para ser considerado um movimento de esquerda?  Veja a seguir algumas respostas para as principais perguntas que rondam o tema:  

 


1. A ESSÊNCIA DO NAZISMO ERA SOCIALISTA?

Não, não era. Inclusive, quando surgiu, o nazismo fazia oposição ferrenha ao governo socialista que havia se instalado na União Soviética depois da revolução de 1917. 


No entanto, o partido de Hitler também fazia oposição ao capitalismo ultraliberal vigente na maior parte do mundo na época. 


O nazismo nasceu como uma espécie de terceira via. Só que a proposta de governo de Hitler era, na verdade, bastante confusa


Ele defendia, por exemplo, que bens privados fossem apropriados pelo governo – mas somente os bens de judeus e outras pessoas consideradas “indesejadas”


O lucro e a propriedade privada estavam liberados para os alemães “puros”

 

 

2. SE NÃO ERA DE ESQUERDA, POR QUE ENTÃO O PARTIDO SE CHAMAVA ‘NACIONAL-SOCIALISTA’?

Um dos pontos mais debatidos da ideia de que o nazismo foi um movimento de esquerda é a palavra “socialista” no nome do partido. 


Num pensamento simplista, se há o termo "socialista" é de esquerda, certo? 


Para matar essa charada, basta conhecer o cenário geral e se atentar ao termo “nacional” em vez do “socialista”.


O partido nazista estava fortemente ligado à ideia de supremacia branca, de uma Alemanha para alemães arianos, de uma nação em que só os escolhidos poderiam usufruir das benesses políticas e sociais. Não havia nada verdadeiramente de esquerda ali. 

 

 

3. O NAZISMO TAMBÉM PREGAVA GRANDE INTERFERÊNCIA DO ESTADO NA ECONOMIA. ISSO NÃO É DE ESQUERDA?

Sim, o nazismo pregava, na teoria, que houvesse mais igualdade e distribuição de riquezas, mas somente entre o povo alemão “puro”. Judeus, estrangeiros, ciganos e gays, por exemplo, estavam de fora. O estado deveria interferir na economia para garantir justiça apenas aos favorecidos pelo regime. 


Só que durante o nazismo, curiosamente, quem mais lucrou na Alemanha foram as empresas privadas do setor bélico e de extermínio. Sindicatos foram extintos e os setores mais ricos da sociedade passaram a ser privilegiados. 

 

 

4.  AH, MAS E QUANTO AOS REGIMES SOCIALISTAS TOTALITÁRIOS?

O totalitarismo não escolhe lado. Pode ser de esquerda, pode ser de direita. O fato é que o nazismo foi um regime totalitário e o comunismo em alguns países, como na extinta União Soviética, também foi. 


Eles tinham em comum a perseguição política, a presença extensiva da propaganda governamental e o controle total da vida pública e privada dos cidadãos. Mas isso diz respeito ao totalitarismo e não ao fato de serem de esquerda ou direita.


Além disso, o nazismo criou uma ideia falsamente científica de que era preciso purificar a raça, o que significava se livrar de judeus, homossexuais, ciganos, estrangeiros, testemunhas de Jeová, negros, socialistas, entre outros grupos. Por ser pautado por pretextos xenofóbicos, homofóbicos e racistas, trata-se indubitavelmente de um movimento de extrema direita. 

 

 

AINDA TEM DÚVIDAS? ENTÃO DÊ UMA LIDA NOS DISCURSOS DE HITLER

Existem diversas transcrições dos discursos de Hitler disponíveis na internet. O leitor interessado em matar a charada do esquerda-direita vai perceber que na maioria deles há uma crítica pesada ao regime socialista e às ideias marxistas

O discurso nacional-socialista que tomou conta da Alemanha nazista apontava, inclusive, os judeus como criadores tanto do marxismo (esquerda) como do ultraliberalismo (direita) – ou seja: para florescerem socialmente, os arianos precisavam estar livres das duas ameaças. As consequências desse pensamento você já conhece. 

 


Fonte: BBC 

Imagem: Wikipedia Commons/Montagem

TOP 10: Este foi o ditador que causou o maior impacto na história

Ele surgiu na história do mundo como uma imensa chama de glória: é o maior senhor da guerra de todos os tempos...

Assista ao vídeo e saiba mais: 

#HISTORYCONECTA - O que é Impeachment?

Você sabe o que é Impeachment? O History te conta! Assista ao vídeo:

24.Abr.1930

Nasce o ex-presidente da república José Sarney

José Sarney, ex-presidente do Brasil, nasceu no dia 24 de abril de 1930, em Pinheiro (MA). Ele entrou para a história como o mais longevo político brasileiro: possui 60 anos consecutivos de mandatos eletivos e o maior tempo de mandatos no Senado Federal - 39 anos. Ao longo de sua carreira, passou pelos seguintes partidos políticos: PSD, UDN, ARENA, PDS e PMDB, ao qual é filiado desde 1984. 

 

Sarney foi três vezes deputado federal pelo Maranhão (de 1955 a 1966), foi governador maranhense, entre 1966 e 1970 e, em seguida, senador pelo mesmo estado em dois mandatos seguidos, de 1971 a 1985. Em 1985, foi vice-presidente de Tancredo Neves e tornou-se presidente da república com a morte de Tancredo antes da posse. Comandou o Brasil até o ano de 1990. Durante seu governo, foram restabelecidas as eleições diretas para presidente, prefeito e governador. Também foi aprovado o direito de voto dos analfabetos e promulgada a Constituição de 1988. Seu mandato também foi marcado por acusações de corrupção, favorecimento político nas concessões públicas de emissoras de rádio e TV, fracasso no combate à hiperinflação e uma grande recessão.

 

Após sua passagem pela presidência, Sarney elegeu-se senador pelo estado do Amapá. Ocupou o cargo por três legislaturas seguidas, entre 1991 e 2015. 

 

Além da carreira política, Sarney também é bacharel em direito, jornalista e sempre foi envolvido com a área da produção literária desde jovem. Em 1980, ingressou para a Academia Brasileira de Letras. Recebeu, entre outras, as seguintes medalhas: Medalha Machado de Assis, da Academia Brasileira de Letras; Medalha José Bonifácio, do Senado Federal; Medalha do Pacificador, do Ministério do Exército; Medalha da Inconfidência; Medalha do Mérito da Cultura; Medalha do Mérito Mauá; La Médaille de La Ville de Paris.

 

 


Crédito: José Cruz/Agência Brasil 

04.Abr.2016

Hacker chantageia Marcela, esposa de Michel Temer

Marcela Temer, esposa de Michel Temer, sofreu chantagem do hacker Silvonei José de Jesus Souza no dia 4 de abril de 2016. As ameaças seguiram até o dia 18 de abril, de acordo com informação que consta em processo judicial movido por Marcela.  Silvonei ameaçava expor áudios que foram obtidos a partir da clonagem do celular de Marcela, na época esposa do então vice-presidente do Brasil.
 

O hacker foi preso em 11 de maio e condenado no dia 24 de outubro de 2016 por extorsão e estelionato. Ele pegou 5 anos e 10 meses de prisão em regime fechado. Alexandre de Moraes, então secretário de Segurança Pública, comandou o caso.

De acordo com notícia divulgada pela Folha de São Paulo em fevereiro de 2017, Silvonei exigia de Marcela o pagamento de R$ 300 mil para não divulgar uma mensagem de voz entre ela e o irmão Karlo Augusto Araújo. De acordo com o hacker, os áudios colocariam o nome de Michel Temer "na lama".

Segundo a Folha, o hacker teria ameaçado Marcela com a seguinte mensagem: "Pois bem como achei que esse vídeo (na verdade, áudio) joga o nome de vosso marido (Temer) na lama. Quando você disse q ele tem um marqueteiro q faz a parte baixo nível... pensei em ganhar algum com isso!!!!". Segundo a Folha, o "marqueteiro" a que Souza se refere é Arlon Viana, assessor de Temer. 

Ainda em abril de 2016, a própria Folha já havia noticiado que Marcela sofria ameaças de um hacker após ter o conteúdo do celular clonado. Na época, porém, a informação era de que o hacker ameaçava divulgar somente fotos comprometedoras da família Temer. Mais tarde, quando todo o caso veio à tona pela Folha, os advogados de Marcela entraram na Justiça pedindo a proibição de reportagens sobre as informações obtidas pelo hacker. O pedido foi aceito pelo juiz Hilmar Castelo Branco Raposo Filho, da 21ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do Distrito Federal, que vetou a divulgação das notícias no dia 10 de fevereiro de 2017.

 


Fontes: Zero Hora, Folha de São Paulo

Crédito: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Ministro Teori Zavascki morre em acidente de avião

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki, morreu em um acidente aéreo no litoral do Rio de Janeiro por volta das 14 horas desta quinta-feira, 19. 

 

Ele estava entre os quatro ocupantes de uma aeronave de pequeno porte que decolou de de São Paulo com destino a Angra dos Reis. O aparelho, um bimotor com capacidade para oito passageiros, caiu próximo a Paraty. As causas ainda não são conhecidas. 

 

Zavascki, de 68 anos, foi nomeado ministro do STF em 2012. Em 2015 assumiu a responsabilidade de ser relator da operação Lava-Jato. Era conhecido pela postura discreta, mesmo sob pressão. "O papel do juiz é resolver conflitos, e não criá-los". 

 


IMAGEM: Superior Tribunal de Justiça (STJ) / Flickr

 

12.May.2016

Senado aprova abertura de impeachment e presidente Dilma Rousseff é afastada do cargo

O Senado aprovou no dia 12 de maio de 2016 pela admissibilidade do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff por 55 votos a favor e 22 contrários ao processo. Com a decisão, o processo de impeachment contra Dilma seguiu no Senado, e a presidente acabou afastada do cargo - por até 180 dias -, até que um novo parecer fosse elaborado, debatido e votado.

 

A sessão pela admissibilidade do processo de impeachment começou no dia anterior, na quarta-feira, dia 11, avançou por toda a madrugada e durou mais de 20 horas. O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), não votou – ele só votaria em caso de empate. Dois senadores se ausentaram por conta de licença médica: Jader Barbalho (PMDB-PA) e Eduardo Braga (PMDB-AM).

 

Segundo Renan, durante o seu afastamento, Dilma Rousseff terá direito à residência oficial do Palácio da Alvorada, segurança pessoal, assistência saúde, remuneração, transporte aéreo e terrestre e equipe a serviço do gabinete pessoal da Presidência.

 


 

Crédito: CP DC Press / Shutterstock.com

31.Aug.2016

Dilma Rousseff é afastada definitivamente da presidência do Brasil

Por 61 a 20 votos, os senadores decidiram no dia 31 de agosto de 2016 pelo impeachment de Dilma Rousseff, que deixou de maneira definitiva a presidência da república do Brasil. Não houve abstenções. Com a decisão, o presidente interino Michel Temer foi efetivado no cargo. 

 

O resultado foi proclamado pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, que comandou o julgamento do processo no Senado, iniciado no dia 25 de agosto.  

 

Entre os motivos do impeachment de Dilma, estavam a edição de três decretos de crédito suplementares sem a autorização do Legislativo e em desacordo com a meta fiscal e as operações que ficaram conhecidas como pedaladas fiscais, ou seja, atrasos no repasse de recursos do Tesouro aos bancos públicos responsáveis pelo pagamento de benefícios sociais, como o Plano Safra.

 

 


Fonte: Agência Brasil

Imagem: Antonio Cruz/ Agência Brasil