Todos os horários
18.May.1804

Napoleão é nomeado imperador francês

Um verdadeiro mito da história, Napoleão Bonaparte tornou-se imperador dos franceses no dia 18 de maio de 1804, adotando o nome de Napoleão I.

 

Sua nomeação como imperador ocorreu em um momento de ascensão na carreira militar, após uma série de campanhas vitoriosas. Como recompensa, Napoleão, que já era Primeiro Cônsul francês, foi proclamado Imperador pelo Senado. Ele controlou pessoalmente o exército com mão de ferro.

 

A cerimônia de coroação de Napoleão ocorreu no mesmo ano, no dia 2 de dezembro, na catedral de Notre Dame de Paris. A cerimônia foi um espetáculo que entrou para a história, começando pelo fato de que Napoleão não foi a Roma para ser ungido pelo papa, como os imperadores costumavam fazer. Ele obrigou Pio VII a ir a Paris para a cerimônia. O momento mais emblemático ocorreu na hora da coroação. Napoleão tomou a coroa das mão do Papa e coroou a si mesmo, de frente para o público e de costas para o pontífice. Depois, colocou a coroa na imperatriz Josefina. Com esse gesto, Napoleão passou a mensagem de que devia seu título a si mesmo e a mais ninguém.

 

Guerras napoleônicas

 

Napoleão foi imperador francês até 6 de abril de 1814. Ele retornou ao cargo por poucos meses em 1815. Sua reforma legal, o Código Napoleônico, teve grande influência nas leis de vários países. Enquanto esteve no poder, comandou as chamadas guerras napoleônicas e dominou boa parte da Europa.

 

Como imperador, Napoleão também estabeleceu o Bloqueio Continental como meio de fragilizar os ingleses comercialmente, ou seja, todos os países europeus deveriam fechar seus portos para a Inglaterra, caso contrário seriam invadidos pelas tropas napoleônicas. Uma das consequências disso foi a vinda da família real portuguesa para o Brasil. Como Portugal era aliado da Inglaterra, decidiu não aderir ao bloqueio, e a a família real portuguesa e demais súditos, com ajuda dos ingleses, fugiram para a colônia na América do Sul em 1808. 


 

Crédito: Jacques-Louis David [Domínio Público], via Wikimedia Commons

Pesquisadores abrem sarcófago milenar de cantora egípcia pela primeira vez. Assista ao vídeo

Três semanas depois de ter sido encontrado em uma missão arqueológica em Luxor, foi aberto o sarcófago da chamada “cantora de Amón”, que cantava e dançava nos templos egípcios, em cultos de adoração a Amon-Rá, o rei dos deuses.

Após 3 mil anos oculto, esse tesouro histórico finalmente veio à tona. Graças a um trabalho sutil e delicado, uma vez que se corria o risco de danificar a tampa do túmulo, os especialistas puderam abrir o ataúde de madeira e gesso e dar de cara a cara com a múmia.

O egiptólogo Francisco Martín Valentín, um dos responsáveis pela escavação, descreveu o momento com grande precisão: “Todos que estavam lá entenderam que era uma continuidade entre o momento em que essa mulher foi colocada dentro do sarcófago para toda a eternidade e o instante em que outros humanos levantaram essa tampa, não para perturbar seu descanso, mas com o afã de compreendê-la”.

Fonte e imagens: El Mundo

Imagem: Museu Nacional (Museu Nacional) [CC0], via Wikimedia Commons

IMPERADORES REIS E FARAÓS

Imperadores reis e faraós governaram civilizações passadas e construíram riquezas imensas. Pesquisadores sustentam a teoria de que estes antigos monarcas foram escolhidos e guiados por extraterrestres e garantem que todos possuem o gene da liderança. Mas neste caso qual seria a verdadeira origem deste gene... ele teria sido herdado de seres de outro planeta?

26.Nov.1922

Arqueólogos entram na tumba de do faraó Tutancâmon

Os arqueólogos britânicos Howard Carter e Lord Carnarvon se tornaram as primeiras almas a entrar na tumba do rei Tutancâmon em mais de 3.000 anos, em um dia como este, no ano de 1922, no Vale dos Reis do Egito. As câmaras funerárias seladas de Tutancâmon estavam intactas e, no mesmo local, foram encontrados vários objetos de valor inestimável, incluindo um caixão de ouro contendo a múmia do rei adolescente, que morreu quanto tinha 18 anos. Tutancâmon foi coroado em 1333 a.C. quando era uma criança. Ele teria morrido uma década depois, supostamente, por causa de um acidente fatal com uma carruagem.

Após a Primeira Guerra Mundial, Carter começou uma busca intensa pela tumba de Tutancâmon. Em 4 de novembro de 1922, ele descobriu um caminho que levava para a entrada da tumba. Em 23 de novembro, ele e sua equipe quebraram a porta de tijolos de barro, revelando a passagem que levava ao túmulo de Tutancâmon. Há evidências de que ladrões poderiam ter invadido o local, em algum momento, e os arqueólogos temiam que teriam, na verdade, descoberto uma tumba saqueada. No entanto, em 26 de novembro, eles quebraram outra porta e se depararam com uma das mais fascinantes descobertas arqueológicas da história recente. No chão, o pó ainda estava marcado com as pegadas das últimas pessoas que estiveram ali, há 3 mil anos. A partir deste momento, teve início um gigantesco processo de escavação, que levou anos. A maioria dos tesouros ali resgatados estão no Museu do Cairo. Sem dúvida, Tutancâmon é um símbolo mundial do Antigo Egito e, de certa forma, pode-se dizer que o jovem faraó conseguiu imortalizar o seu nome ao longo da história.

 


Imagem: By Jon Bodsworth [Copyrighted free use], via Wikimedia Commons