Todos os horários

Descoberta a fonte de sinais misteriosos fora da galáxia

Pesquisadores da Universidade McGill, em Montreal, no Canadá, detectaram, recentemente, seis sinais de rádio misteriosos oriundos de algum ponto localizado a mais de 3 bilhões de anos-luz da Terra.


Inicialmente, a descoberta consistia na identificação de ondas de rádio misteriosas e emitidas da constelação Auriga. A rajada, que teve uma duração de milissegundos, foi produzida no mesmo lugar onde havia sido detectado outro estranho sinal há poucos meses.

Pouco tempo atrás, o mistério chegou ao fim: segundo um estudo publicado na revista Nature, as rajadas são produzidas em uma galáxia anã na constelação de Auriga. Essa galáxia – cuja massa é menor que 1% da nossa Via Láctea – tem poucas estrelas e está formando novas a uma grande velocidade: as rajadas rápidas de rádio estariam relacionadas, então, ao aparecimento de estrelas jovens de nêutrons.

 


Fonte: RT

 

Imagem: sirikorn thamniyom/Shutterstock.com

25.Aug.2016

Descoberta galáxia com 99,99% de matéria escura

Usando os telescópios mais poderosos do mundo, uma equipe internacional de astrônomos descobriu uma galáxia maciça que consiste quase inteiramente em matéria escura - 99,99%. Por meio do Observatório W. Keck e do telescópio Gemini North - ambos em Maunakea, no Havaí - a equipe encontrou uma galáxia cuja massa é quase inteiramente matéria escura. Os resultados foram publicado na edição do The Astrophysical Journal Letters de 25 de agosto de 2016.

 

A galáxia chamada Dragonfly 44 (ou Libélula 44) já havia sido observada por astrônomos há décadas, mas havia passado despercebida por ser muito fraca - já que quase não possui estrelas. Foi descoberta para valer apenas no ano passado, quando o Dragonfly Telephoto Array observou uma região do céu no Aglomerado de Coma. Após um exame mais minucioso, a equipe percebeu que a galáxia tinha muito mais do que os olhos poderiam perceber: só 0,01% de estrelas. Toda o restante é matéria escura, o que faz dela uma verdadeira “galáxia fantasma”.

 

A Dragonfly está a 320 milhões de anos-luz da Terra, e, quando falamos em Universo, essa galáxia pode ser considerada nossa vizinha. Sobre a matéria escura, ela é ainda um completo mistério para os astrônomos. Sabe-se que ela representa em torno de 27% de toda a massa e de toda a energia no Universo observável. Embora a sua força gravitacional seja detectável, ela não emite nenhuma luz ou radiação que possa ser observada. No entanto, a matéria escura é essencial para a estabilidade universal.

 


 

Fonte: Keck Observatory

Imagem: PIETER VAN DOKKUM, ROBERTO ABRAHAM, GEMINI, SLOAN DIGITAL SKY SURVEY 

30.Dic.1923

Hubble descobriu a existência de outras galáxias

Em 30 de dezembro de 1923 o astrônomo Edwin Hubble descobriu as estrelas individuais que constituem a nebulosa da região externa da galáxia de Andrômeda, e graças à relação luminosidade-distância, que caracteriza essas estrelas, ele foi capaz de demonstrar que Andrômeda não está em nossa galáxia, mas fora, e que era um sistema de estrelas totalmente semelhante ao nosso. Hubble introduz, dessa forma, um sistema de classificação das galáxias segundo sua estrutura. Em 1929 comparou as distâncias que havia calculado para diferentes galáxias com os deslocamentos até o vermelho, fixados por Slipher para as mesmas galáxias. Descobriu que quanto mais longe estava a galáxia, mais alta era sua velocidade de recessão. Essa relação é conhecida como lei dos deslocamentos até o vermelho ou lei de Hubble, a qual determina que a velocidade de uma galáxia seja proporcional a sua distância.

 

 

Imagem: NASA [Domínio público], via Wikimedia Commons