Todos os horários

Empreendedor que foi de SP à Califórnia de moto passou por perrengues, mas chegou lá

Pedro McCardell chegou ao Vale do Silício e conseguiu o que queria. 

Quase dois meses depois de ter deixado São Paulo numa moto com destino à Califórnia, o empreendedor Pedro McCardell finalmente chegou ao destino programado.


Na cabeça, uma meta inusitada: utilizar a aventura como argumento para convencer investidores do Vale do Silício a dar um aporte ao seu projeto – um aplicativo para amantes de atividades ao ar livre. 


Ele sabia que seria difícil, e se preparou para isso. O que não imaginou, talvez, é que a jornada pudesse ser tão arriscada. Nos 58 dias que passou na estrada, completamente sozinho, Pedro encarou problemas com as más condições das estradas – algumas a mais de 5 mil metros de altitude –, uma infecção que o deixou quatro dias internado numa cidadezinha no interior do Peru, as variações de temperatura que iam de 38 graus de dia a 4 graus à noite, as derrapagens, os animais na pista e até a chegada surpresa de um tornado no interior dos Estados Unidos! 

Pedro McCardell

Pedro McCardell


“Segurança é uma superstição. Não existe segurança na natureza. Ela mostra que você não é de ferro, que nunca está suficientemente preparado”, contou McCardell ao HISTORY poucos dias depois do fim da sua jornada. 


Valeu a pena o risco? Se valeu: Pedro conseguiu aporte que queria para o seu projeto e já tem data marcada para se mudar para os Estados Unidos com a família. 

 


Imagens: Pedro McCardell/Instagram/Reprodução 

 

Os livros recomendados por Elon Musk

O inventor, físico e empresário sul-africano Elon Musk é conhecido mundialmente por ser o cofundador do PayPal, Tesla Motors, SpaceX, Hyperloop e OpenAL.

Além disso, nos últimos anos, destacou-se como uma das pessoas mais interessadas em chegar a Marte em 2024.

Nascido na África do Sul, Elon emigrou para os EUA em 1971, aos 17 anos. Aos 24 anos já havia fundado sua primeira empresa e, em menos de 10 anos, já havia se tornado multimilionário. Quando lhe perguntam como ele aprendeu a construir foguetes, sua resposta é invariável: “lendo livros”. Embora essa certamente não seja a única razão para o seu sucesso, vale a pena aproveitar seus conselhos com relação aos livros que, segundo ele, ninguém deveria deixar de ler:


- “Série da Fundação” (Foundation Series), de Isaac Asimov, um conjunto de, no mínimo, 16 livros de ficção científica de tecnologia social, no qual os artefatos tecnológicos interferem na organização social.

- “Revolta na Lua” (“The Moon is a Harsh Mistress”), de Robert Heinlein, sua obra favorita desse autor.

- “Um Estranho Numa Terra Estranha” (“Stranger in a Strange Land”), também de Robert Heinlein.

- “Structures: Or Why Things Don't Fall Down”, de J.E. Gordon, sobre design de estruturas. Explica, de uma forma simples, como funcionam as estruturas e as forças, observando sua presença na natureza e nas construções humanas.

- Biografia de Benjamin Franklin (“Benjamin Franklin: An American Life”), escrita por Walter Isaacson. No fundo, Franklin era um empresário e Musk se identifica com ele por ter começado do nada.

- Biografia de Albert Einstein (“Einstein: His Life and Universe”), também de Walter Isaacson.

- Biografia de Howard Hughes (“Howard Hughes: His Life and Madness”), de Donald L. Barlett e James B. Steele, produtor e diretor de cinema conhecido também, entre outras coisas, por sua contribuição à aviação e ao design de aeronaves.

- “De Zero a Um” ("Zero to One: Notes on Startups or How to Build the Future”), de Peter Thiel, que explica como o autor conseguiu criar empresas inovadoras.

- “Superintelligence: Paths, Dangers, Strategies”, de Nick Bostrom. Para Elon, as inteligências artificiais são mais perigosas que as armas nucleares.

- “Ignition! An Informal History of Liquid Rocket Propellants”, de John D. Clark. Um livro que ele considera extremamente divertido e interessante. Requer noções de física, química, termodinâmica, engenharia e mecânica.


Fonte: Hipertextual
Imagem: Flickr / OnInnovation (CC BY-ND 2.0)


 

 

Saiba como um assalto resultou na criação de rede de comida chinesa de sucesso

O empresário Robinson Shiba teve que ralar muito antes de abrir a rede de comida chinesa mais popular do Brasil.

Antes de fundar a China in Box, ele teve que morar no fundo da loja de materiais de construção do pai e lavar muito prato nos Estados Unidos. Foi lá que um acontecimento desagradável mudou sua vida.

Shiba foi aos EUA para aprimorar o inglês, mas acabou sendo assaltado por lá. O futuro empresário acabou perdendo todo o seu dinheiro e começou a trabalhar como lavador de pratos para tentar reverter o prejuízo. Foi então que ele conheceu a comida chinesa em caixinhas.

Quando voltou ao Brasil, Shiba terminou a faculdade de odontologia e abriu três consultórios para garantir o sustento da família. Mesmo assim, ele continuava determinado a trazer o conceito de delivery de comida chinesa em caixinhas para o Brasil. Em 1992 ele resolveu vender os consultórios a preço de banana e investir no negócio. 

Dois anos depois, a China in Box já abria suas primeiras franquias. Atualmente, a rede conta com mais de 170 lojas espalhadas pelo país. Além disso, hoje em dia os negócios de Shiba somam dez marcas, abrigadas sob o grupo TrendFoods, do qual é CEO.  

 

Fonte: Exame

Imagem: Sergey Mironov/Shutterstock.com

Negócio bilionário de chocolate nasceu no banco de trás de Fusca

Um dos negócios mais bem-sucedidos do Brasil começou dentro de um simples Fusca.

Alexandre Tadeu da Costa usava o banco de trás do carrinho popular para vender chocolates para padarias e supermercados de São Paulo. Esse foi o início modesto da Cacau Show, rede que já conta com mais de mil unidades em todo o país e tem faturamento bilionário.

Em 1987, quando tinha pouco menos de 18 anos, Alexandre decidiu retomar uma atividade que seus pais haviam exercido anteriormente: a venda de chocolates. Ele pegou a lista de clientes deles e conseguiu uma encomenda de dois mil ovos de Páscoa. 

 

Após enfrentar dificuldades para encontrar um fornecedor capaz de produzir o produto nas especificações que precisava, Alexandre conheceu uma mulher que fazia ovos de Páscoa caseiros. Juntos eles trabalharam a todo vapor por três dias para dar conta da encomenda.

 

 

Como a empreitada deu resultado, Alexandre percebeu que o mercado de chocolates artesanais ainda poderia crescer muito. Inicialmente instalado em uma sala na empresa dos pais, ele criou um catálogo de vendas por encomenda. Em 1996, ele foi para a Bélgica se especializar no ofício.

Em 2001, após anos de sucesso de venda porta a porta, ele abriu a primeira loja da Cacau Show. Em pouco tempo, ele franqueou o negócio e a marca deslanchou de vez. Atualmente a rede conta com cinco fábricas que fabricam mais de 12 mil toneladas de chocolate por ano e fatura R$ 1,2 bilhão. 

Fonte: UOL Economia

Imagem: Divulgação

08.Jul.1838

Nasce o empresário norte-americano John D. Rockefeller

No dia 8 de julho de 1838 nascia, em Richford, nos EUA, John D. Rockefeller, empresário e magnata do petróleo, fundador da empresa Standard Oil. Rockefeller comandou a maior empresa do mundo e foi, por muito tempo, o homem mais rico do planeta. Sua carreira empresarial, contudo, foi cercada por controvérsias, entre elas a prática do monopólio. Também é associada à família Rockefeller a elaboração da Primeira e da Segunda guerras mundiais para obter benefícios econômicos com a venda de armas e outros equipamentos. Ele morreu com quase 100 anos, no dia 23 de maio de 1937, em Ormond Beach, também nos EUA.

 


Imagem: via Wikimedia Commons