Todos os horários

8 países latino-americanos estão entre os mais felizes do mundo

Ranking da ONU leva em conta fatores como poder aquisitivo, expectativa de vida e liberdade! 

Desde 2012, a Assembleia Geral das Nações Unidas (AGNU) publica anualmente um índice de felicidade no mundo. Este ano, 8 países latino-americanos ocuparam lugares entre as 30 nações mais felizes do planeta.

A ONU define o bem-estar como “um estado anímico bom, refletido nas avaliações positivas e negativas das experiências de vida das pessoas e em suas reações emocionais a essas experiências”. A lista é elaborada pela evolução de seis pontos-chave para medir a felicidade de um indivíduo: o suporte social, a expectativa de vida, o poder aquisitivo, a confiança em diferentes instituições, a liberdade para tomar decisões vitais e a generosidade.

O ranking 2017 está liderado, como em edições anteriores, pela Noruega. Os países latino-americanos em posições mais altas são: Costa Rica em 12º, Chile em 20º, Brasil em 22º, Argentina em 24º, México em 25º, Uruguai em 28º, Guatemala em 29º e Panamá em 30º.


Fonte: RT

Imagem: Shutterstock

29.May.1959

Nasce Gretchen, a eterna Rainha do Rebolado

Gretchen, a eterna Rainha do Rebolado e Rainha do Bumbum, nasceu no dia 29 de maio de 1959 no Rio de Janeiro. Batizada de Maria Odete Brito de Miranda, ele é cantora, dançarina e atriz.

 

Com mais de 40 anos de carreira, já vendeu mais de 15 milhões de discos. Entre os seus hits estão “Melô do Piripipi (Je Suis La Femme)“. “Conga, Conga, Conga” e “Freak Le Boom Boom”. Estas músicas foram bastante procuradas no serviço Spotify na época do Natal e Réveillon. Segundo levantamento do próprio Spotify, a audiência das músicas da Gretchen no serviço subiram mais de 200% entre os dias 24 e 25 de dezembro de 2016. Na noite de Réveillon, mais de 300%. O mesmo ocorreu no mesmo período do ano anterior. Com uma popularidade que sobrevive ao tempo e a gerações, em 2015 foi lançado o livro "Gretchen - Uma biografia quase não autorizada". 


A vida artística de Gretchen começou na infância e em família. Formou o grupo As Melindrosas com as irmãs Sula e Yara e a prima Paula. O primeiro álbum, “Disco Baby”, foi um sucesso. No final dos anos 70, Gretchen partiu para carreira solo. Símbolo sexual, posou para revistas masculinas e participou de filmes. No começo dos anos 80, ao lado de Rita Cadillac, filmou Aluga-se Moças, no estilo pornochanchada, que foi um grande sucesso de bilheteria. Também esteve em filmes eróticos, entre 2006 e 2008.

 

A cantora ainda foi estrela de realities shows como "Troca de Família" (2010) e "A Fazenda" (2012). Em 2008, Gretchen concorreu à prefeitura da Ilha de Itamaracá (PE), pelo PPS, mas ganhou apenas 343 votos.

 

Em 2017, ela fez uma versão do funk Deu onda, do carioca MC G15. A cantora substituiu a letra original por "Eu não preciso mais mexer e nem dançar a conga". 




Imagem: Reprodução/ Gretchen & Você 

 

Terremoto atinge o Maranhão e Piauí

Apesar de o Brasil ter fama de não registrar terremotos, abalos sísmicos acontecem esporadicamente no país.

No Maranhão, no dia 3 de janeiro de 2017, foi registrado um tremor de terra que atingiu 4,6 graus na escala Richter. O fenômeno foi sentido por moradores e confirmado pelo Centro de Sismologia da Universidade de São Paulo (USP).

De acordo com o órgão, o epicentro do terremoto foi registrado na cidade de Belágua, às 9h45. Os tremores chegaram a ser sentidos na capital do estado, São Luís. Habitantes de Teresina, no Piauí, também relataram que sentiram o abalo sísmico.

Abalos sísmicos que variam entre 4 e 4,9 graus na escala Richter podem causar tremor de objetos dentro de edifícios, mas oferecem baixo risco de danos importantes. Tanto em São Luis quanto em Teresina, prédios públicos foram evacuados por precaução.

O tremor de terra mais intenso registrado no Brasil aconteceu em 1955 na Serra do Trombador, no Mato Grosso. Esse terremoto atingiu 6,6 graus na escala Richter, que vai até 9.

 


Fontes: Veja e Exame
Imagem: Miguel Oliverr [CC BY-SA 4.0], Wikimedia Commons

07.Jul.2016

Deputado Eduardo Cunha renuncia à presidência da Câmara

Afastado do cargo desde 5 de maio de 2016 por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), o deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) renunciou nesta quinta-feira, dia 7 de julho, à presidência da Câmara dos Deputados. Ele também estava suspenso pelo STF do seu mandato parlamentar por tempo indeterminado. Cunha comunicou a sua decisão em uma carta dirigida ao presidente em exercício da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA).

Ele anunciou sua decisão no Salão Verde da Câmara e disse que foi alvo de perseguição por ter iniciado o impeachment da presidente Dilma Rousseff. 

"Estou pagando um alto preço por ter dado início ao impeachment. Não tenho dúvidas, inclusive, de que a principal causa do meu afastamento reside na condução desse processo de impeachment da presidente afastada. Tanto é que meu pedido de afastamento foi protocolado pelo PGR [procurador-geral da República] em 16 de dezembro, logo após a minha decisão de abertura do processo", afirmou.

“Somente a minha renúncia poderá pôr fim a essa interinidade sem prazo”, continou, ao afirmar que a Câmara está acéfala.

O político é investigado na Operação Lava Jato e também é réu em duas ações no STF. Ele ainda responde a um processo disciplinar no Conselho de Ética da Câmara, que aprovou um parecer pela cassação do mandato.

Confira aqui a carta da renúncia de Cunha.

Novas eleições

Com a decisão de Cunha, a Câmara terá que convocar novas eleições no prazo de até cinco sessões plenárias – deliberativas ou de debates com o mínimo de 51 deputados presentes - para uma espécie de mandato-tampão, até as eleições para o presidente da Casa em fevereiro de 2017. 

 


 


Fontes: G1 , Agência Câmara Notícias, Agência Brasil

 

Imagem: Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil

15.May.2010

Incêndio atinge o Instituto Butantan em São Paulo

No dia 15 de maio de 2010, um incêndio atingiu o Prédio das Coleções, do Instituto Butantan, em São Paulo. O fogo acabou com 80% da coleção de cobras do Butantan - aproximadamente 85 mil exemplares – destruindo o material coletado em mais de 100 anos.

Também foi destruída a coleção de aracnídeos - em especial escorpiões e aranhas - causando a perda de 450 mil espécimes. Milhares deles ainda não haviam sido descritos pelos cientistas do instituto. Nenhum dos animais estava vivo.

O incêndio teve início por volta de 7h e 8h da manhã e só foi controlado pelos bombeiros às 10h. O laudo do núcleo de engenharia do Instituto de Criminalística da Polícia Técnico Científica de São Paulo aponta que o incêndio foi acidental, e o fogo começou por conta do superaquecimento de pedras de calor, usadas em ambientes artificiais para aquecer as cobras.

O Instituto Butantan foi fundado em 23 de fevereiro de 1901 e é um dos maiores centros de pesquisa biomédica do mundo, responsável por mais de 93% do total de soros e vacinas produzidas no Brasil, entre elas, as vacinas contra difteria, tétano, coqueluche, hepatite B, influenza sazonal e H1N1.

O Instituto também desenvolve estudos e pesquisas na área de biologia e de biomedicina relacionadas com a saúde pública e realiza missões científicas no país e no exterior por meio da Organização Mundial e Pan-americana da Saúde, Unicef e a ONU.

A criação do Instituto Butantan ocorreu após um surto de peste bubônica que se propagava no porto do Santos, em 1899. A doença fez com que o governo adquirisse a Fazenda Butantan para instalar um laboratório de produção de soro antipestoso. Além de ser um centro de pesquisa, o Butantan também é um ponto turístico de São Paulo, com parque, centro de exposições, serpentário e os museus Biológico, Histórico, Microbiologia e Emílio Ribas. 


Fonte: Último Segundo
Imagem: Alf Ribeiro/Shutterstock.com

21.Oct.1889

Morre o Visconde de Mauá, primeiro grande industrial brasileiro

No dia 21 de outubro de 1889 morria, em Petrópolis, no Rio de Janeiro, Irineu Evangelista de Sousa, o Barão (1854) e depois Visconde (1874) de Mauá. Ele foi considerado o primeiro grande industrial brasileiro por seu pioneirismo em várias áreas da economia do país.

Nascido em Arroio Grande (RS), em 28 de dezembro de 1813, tornou-se o principal representante dos primórdios do capitalismo na América do Sul ao adotar em suas empresas no Brasil, ainda durante o Império (1822-1889), máquinas usadas na Europa e nos EUA no período da Revolução Industrial.

Também foi um grande opositor da escravatura e do tráfico de escravos, pois, para ele, somente com um comércio livre e trabalhadores libertos e com salários, o Brasil poderia alcançar a prosperidade. Contudo, a escravidão só foi abolida, oficialmente, pela Lei Áurea em 1888.

No auge como empresário, em 1860, ele controlava 17 empresas espalhadas por Brasil, Uruguai, Argentina, Inglaterra, França e Estados Unidos. Em 1867, possuía 155 mil contos de réis (155 milhões de Libras Esterlinas), enquanto o orçamento do Império, na mesma época, era de 97 mil contos de réis (97 milhões de Libras Esterlinas).

Entre suas grandes realizações estão a implantação da primeira fundição de ferro e estaleiro no país, a construção da primeira ferrovia brasileira, a estrada de ferro Mauá (atual RJ), o início da exploração do rio e afluentes do Amazonas e Guaíba, a instalação da iluminação pública a gás no Rio de Janeiro, a criação do primeiro Banco do Brasil e a instalação do cabo submarino telegráfico entre América do Sul e a Europa.

Suas posições políticas, no entanto, custaram sua fortuna. O Visconde de Mauá financiou a defesa de Montevidéu quando o governo imperial decidiu intervir nas questões platinas (1850). Ele também foi contra a Guerra do Paraguai. Além disso, seus negócios foram abalados pela redução das taxas de importação. Em 1875, ocorreu a falência do Banco Mauá, e o Visconde teve que vender boa parte das suas empresas e bens pessoais para saldar dívidas. Doente e com a ajuda da família, trabalhou com a corretagem de café até sua morte, aos 76 anos, pouco antes da queda do Império no Brasil.


Imagem: Édouard Viénot [Domínio Público], via Wikimedia Commons

24.Aug.2014

Morre o empresário Antônio Ermírio de Moraes, presidente do Grupo Votorantim

No dia 24 de agosto de 2014 morria, em São Paulo, Antônio Ermírio de Moraes, herdeiro e presidente do Grupo Votorantim. O empresário, um trabalhador incansável, faleceu aos 85 anos, vítima de uma combinação de doenças que o deixaram na cama, sofrendo de hidrocefalia e mal de Alzheimer.

Ao longo de sua vida, Antônio Ermírio acumulou uma fortuna pessoal estimada em US$ 12,7 bilhões, tornando-se uma das pessoas mais ricas do mundo. 

Nascido em 4 de junho de 1928, em São Paulo, seu negócios empregaram mais de 60 mil pessoas. Suas empresas atuavam nos mercados do cimento, celulose, papel, alumínio, zinco, níquel, aços longos, especialidades químicas e suco de laranja. O grupo ainda era formado por um banco e pela BV Financeira.

O Grupo Votorantim foi criado por seu pai, o engenheiro pernambucano José Ermírio de Morais, que comprou as ações de uma empresa de tecelagem localizada no bairro Votorantim em Sorocaba, São Paulo, que pertencia ao seu sogro, avô de Antônio Ermírio, o imigrante português Antônio Pereira Inácio.

Antônio Ermírio se formou em Engenharia Metalúrgica, em 1949, na Colorado School of Mines, nos Estados Unidos. O empresário também tentou a carreira política ao se candidatar ao governo do Estado de São Paulo, em 1986, pela União Liberal Trabalhista Social (PTB, PL e PSC). Ele ficou em segundo lugar, perdendo para Orestes Quércia (PMDB).

Antônio Ermírio gostava de artes e foi autor de três peças de teatro, duas lançadas no circuito paulistano: Brasil S.A., Acorda Brasil e S.O.S Brasil. Ele também desenvolveu uma intensa atividade no campo da saúde, em especial, no Hospital da Beneficência Portuguesa em São Paulo.

 


Imagem: Antônio Cruz/ABr (Agência Brasil [1]) [CC BY 3.0 br], via Wikimedia

04.Jun.1928

Nasce o empresário Antônio Ermírio de Moraes, presidente do Grupo Votorantim

No dia 4 de junho de 1928 nascia, em São Paulo, Antônio Ermírio de Moraes, herdeiro e presidente do Grupo Votorantim, com uma fortuna pessoal estimada em US$ 12,7 bilhões, que o tornaria uma das pessoas mais ricas do mundo.

Os negócios de Antônio Ermírio de Moraes empregaram mais de 60 mil pessoas e suas empresas atuavam nos mercados do cimento, celulose, papel, alumínio, zinco, níquel, aços longos, especialidades químicas e suco de laranja. O grupo ainda era formado por um banco e pela BV Financeira.

O Grupo Votorantim foi criado por seu pai, o engenheiro pernambucano José Ermírio de Morais, que comprou as ações de uma empresa de tecelagem localizada no bairro Votorantim em Sorocaba, São Paulo, que pertencia ao seu sogro, avô de Antônio Ermírio, o imigrante português Antônio Pereira Inácio.

Antônio Ermírio se formou em Engenharia Metalúrgica, em 1949, na Colorado School of Mines, nos Estados Unidos. O empresário também tentou a carreira política ao se candidatar ao governo do Estado de São Paulo, em 1986, pela União Liberal Trabalhista Social (PTB, PL e PSC). Ele ficou em segundo lugar, perdendo para Orestes Quércia (PMDB).

Antônio Ermírio gostava de artes e foi autor de três peças de teatro, duas lançadas no circuito paulistano: Brasil S.A., Acorda Brasil e S.O.S Brasil. Ele também desenvolveu uma intensa atividade no campo da saúde, em especial, no Hospital da Beneficência Portuguesa em São Paulo.

O empresário, traballhador incansável, morreu no dia 24 de agosto de 2014 em São Paulo, aos 85 anos. Ele foi vítima de uma combinação de doenças que o deixaram na cama, sofrendo de hidrocefalia e mal de Alzheimer.

 


Imagem: Antônio Cruz/ABr (Agência Brasil [1]) [CC BY 3.0 br], via Wikimedia

09.Mar.1954

Nasce Francesco Matarazzo, criador do maior complexo industrial da América Latina

No dia 9 de março de 1854 nascia, em Castellabate, na Itália, Francesco Antonio Maria Matarazzo também chamado de Conde Matarazzo. Ele foi o criador do maior complexo industrial da América Latina do início do século XX. Quando morreu, em 1937, ele era o homem mais rico do Brasil, com uma fortuna de US$ 10 bilhões. A riqueza produzida por suas indústrias ultrapassava o PIB de qualquer estado brasileiro, com exceção de São Paulo.

Filho de agricultores italianos, Francesco Matarazzo emigrou para o Império do Brasil (1822-1889) quanto tinha 27 anos, em 1881. Quando desembarcou na Baía de Guanabara, perdeu a carga de banha de porco que trazia. Com o dinheiro que restou, foi para Sorocaba (SP), onde se estabeleceu e abriu uma casa comercial que vendia porcos e banha. Em 1890, transferiu-se para São Paulo, trazendo da Itália mulher, filhos e irmãos.

De início, montou um moinho de trigo, depois tecelagens, indústria metalúrgica, moinhos para a fabricação do sal, refinarias de açúcar, fábricas de óleo e gordura, frigoríficos, fábrica de velas, sabonete e sabão. A variedade nos negócios não parou de crescer e ele também possuía centros fabris, usina de sulfureto de carbono e de ácidos, fábrica de fósforos e pregos, de louças e azulejos, usina de cal, destilaria de álcool, fábrica de papel e a primeira destilaria de petróleo de Cubatão.

As Indústrias Reunidas Fábricas Matarazzo (IRFM) chegaram a contar com mais de 200 fábricas. O empresário também tinha um banco, uma frota de navios, um terminal no porto de Santos e duas locomotivas para transportar seus produtos. Além disso, havia as propriedades, entre elas uma mansão na avenida Paulista. Seu império contou com o benefício da política de proteção alfandegária, que reduzia o custo de importação de algumas matérias-primas e aplicava taxas mais altas aos produtos estrangeiros competitivos. Recebeu do rei Vitorio Emmanuele, da Itália, o título de conde por ter enviado dinheiro e mantimentos ao país durante a Primeira Guerra Mundial.

Após sua morte, em 10 de fevereiro de 1937, em São Paulo, os negócios da família foram assumidos por Francisco Matarazzo Júnior, o penúltimo dos 13 filhos, que ficou à frente dos negócios por quatro décadas. O sucessor natural seria Ermelino, o primogênito, contudo, ele morreu em um acidente de carro na Itália, em 1920.

 


Imagem: [Domínio público/Copyright expired], via Wikimedia Commons

O escândalo global dos Panamá Papers

Uma quantidade nunca antes vista de documentos confidenciais vazados mostrou ao mundo como ricos e poderosos de todo o planeta usaram paraísos fiscais para esconder suas fortunas.

Onze milhões de papéis que pertencem ao escritório de advocacia Mossak Fonseca, do Panamá, exibem um esquema de como seus clientes evitam o pagamento de taxas e lavam dinheiro. O escândalo, que ganhou o nome de Panamá Papers, indica ligações de políticos, famosos, empresas, chefes de estados, ex-presidentes e pessoas ligadas a eles.

[O HISTORY AGORA ESTÁ NO SPOTIFY: CLIQUE AQUI E SIGA-NOS]

 



Clique nos quadros abaixo para saber mais detalhes desse grande esquema internacional.