Todos os horários
WILLIAM SHAKESPEARE

William Shakespeare

William Shakespeare, frequentemente chamado de poeta nacional da Inglaterra, é considerado o maior dramaturgo de todos os tempos.
Quando criança foi batizado em 26 de abril de 1564, em Stratford-upon-Avon, Inglaterra. A partir de 1594, ele foi um importante membro da companhia de dramaturgos Lord Chamberlain’s Men. Relatos escritos revelam pouco sobre sua arte. Porém, tudo leva a crer que, em um período de 20 anos, Shakespeare escreveu peças que capturaram a totalidade de emoções e conflitos humanos.

 

Origem misteriosa

Os motivos do amor não têm motivo
(Cimbelino)

Conhecidas em todo o mundo, as peças de William Shakespeare têm sido dramatizadas por mais de 400 anos. E a história pessoal de Shakespeare ainda é um mistério. São duas as fontes que os historiadores utilizam para pesquisar sua vida: uma é seu trabalho e a outra são documentos oficiais, como relatos da corte e da igreja. Esse material, no entanto, oferece somente detalhes de certos acontecimentos e pouco da pessoa de Shakespeare.


“Anos perdidos”

Ser, ou não ser, eis a questão.
(Hamlet)

Apesar de não haver nenhum documento de nascimento, William Shakespeare foi batizado na igreja Holy Trinity, em Stratford-upon-Avon em 26 de abril de 1564. Assim, acredita-se que ele tenha nascido por volta de 23 de abril do mesmo ano. Existem poucos relatos da infância de William e nada sobre sua educação, o que levanta algumas questões sobre a autoria de seu trabalho e até se William Shakespeare algum dia existiu.

William Shakespeare casou-se com Anne Hathaway em 28 de novembro de 1852, em Worcester. William tinha 18 anos e Anne 26, e estava grávida. Sua primeira filha, chamada Susanna, nasceu em maio de 1583. Dois anos depois, nasceram os gêmeos Hamnet e Judith. Hamnet morreu aos 11 anos de causas desconhecidas.

Após o nascimento dos gêmeos, não existem relatos da vida de Shakespeare durante sete anos.  Estudiosos chamam esse período de “anos perdidos” e especulam sobre o que Shakespeare teria feito.

 

O início na dramaturgia

Devemos aceitar o que é impossível deixar de acontecer
(As Alegres Comadres de Windsor)

Há evidências de que, em 1952, Shakespeare ganhava a vida como ator e dramaturgo em Londres e, possivelmente, teve muitas peças produzidas.  Robert Greene publicou um artigo na época, alfinetando William, o chamando, inclusive de “corvo arrogante”. Os estudiosos têm opiniões diferentes sobre essa crítica, mas a maioria deles acredita que Greene quis dizer que Shakespeare estava querendo ser mais do que podia, tentando se comparar a dramaturgos mais famosos como Cristopher Marlowe, Thomas Nashe ou ao próprio Greene.

No início da década de 1590, documentos mostram que Shakespeare era sócio da companhia de teatro Lord Chamberlain’s Men. Após a coroação de James I, em 1603, a companhia mudou o nome para King’s Men, e relatos mostram que Shakespeare tinha trabalhos publicados e vendidos como literatura popular. Na época, o teatro não era admirado pelas altas classes, mas Shakespeare atraiu a atenção de Henry Wriothesley, o conde de Southampton, a quem ele dedicou seus primeiro e segundo poemas: "Venus e Adônis" (1593) e "O Estupro de Lucrécia" (1594).

 

Reconhecimento como escritor

A vida é uma história contada por um idiota, cheia de som e de fúria, sem sentido algum.
(Macbeth)

Em 1597, 15 das 37 peças escritas por William Shakespeare foram publicadas. Registros civis mostram que, nessa época, ele comprou a segunda maior casa de Stratford, chamada pela família de “New House” (“Casa Nova”). Em 1599, William Shakespeare e seus sócios construíram seu próprio teatro, ao qual eles denominaram “Globe”. Em 1605, ele começou a investir em imóveis e fazer muito dinheiro, e os estudiosos acreditam que isso lhe deu tempo para escrever suas peças ininterruptamente.

As primeiras obras de Shakespeare foram escritas no estilo tradicional da época, com metáforas elaboradas e frases retóricas que às vezes não se alinhava naturalmente à história ou personagens. Porém, Shakespeare foi muito inovador, adaptando o estilo tradicional a seus propósitos e criando um estilo mais livre de palavras. Com pequenas variações, ele primeiramente utilizou um padrão de métricas para compor suas peças. Além disso, algumas passagens nas peças derivam do uso de formas de poesia ou prosa simples.

 

Histórias e comédias

Nós somos feitos do tecido de que são feitos os sonhos.
(A Tempestade)

Com exceção de “Romeu e Julieta”, as primeiras peças de Shakespeare eram quase todas as histórias escritas no começo da década de 1590. Ricardo II, Henry VI e Henry V falam sobre líderes corruptos e fracos e historiadores acreditam que Shakespeare estaria justificando as origens da dinastia Tudor. Durante esse período, ele também escreveu algumas comédias como “Sonho de uma Noite de Verão”, “O Mercador de Veneza”, “As you like it”, entre outras.

 

Tragédias e tragicomédias

No período final de William Shakespeare, após 1600, ele escreveu suas tragédias “Hamlet”, “Rei Lear”, “Otello” e “Macbeth”. Nessas peças, os personagens apresentam vívidas nuances do temperamento humano, atemporais e universais.
No seu período final, ele escreveu várias tragicomédias, entre elas “Cimbelino”, “Conto do Inverno” e “A Tempestade”. Apesar de terem um tom mais sombrio que as comédias, elas não chegam a ser tragédias, já que no final há reconciliação e perdão.

 

Morte

Tradicionalmente, acredita-se que William Shakespeare tenha falecido na mesma data de seu aniversário, em 23 de abril de 1616, mas documentos da igreja mostram que ele foi enterrado na Trinity Church em 5 de abril de 1616.
Em seu testamento, ele deixou quase tudo que tinha para sua filha mais velha, Susanna, e muito pouco para sua esposa, Anne. Acredita-se que marido e mulher eram pouco próximos.

 

Controvérsias e legado literário

Após cerca de 150 anos após a morte de Shakespeare, foram levantadas suspeitas acerca da autoria das peças de William Shakespeare. Nomes como Christopher Marlowe, Edward de Vere e Francis Bacon foram mencionados como possíveis autores reais das peças.  Isso por conta de os documentos históricos sobre Shakespeare afirmarem sua existência, mas não o citarem como sendo ator ou escritor. Céticos questionam também como alguém de educação tão modesta poderia ter escrito peças tão elaboradas. A maioria dos estudiosos, entretanto, afirma que foi sim Shakespeare quem escreveu suas próprias peças.
Atualmente, suas peças são altamente populares e constantemente estudadas e reinterpretadas em diversos contextos políticos e culturais. A genialidade dos personagens e textos shakespearianos está em representar seres humanos reais, com suas emoções e conflitos, transcendendo as suas origens na Inglaterra elisabetana.

 


Imagem: Artista desconhecido [Domínio público], via Wikimedia Commons