Todos os horários

O INVENTOR MILIONÁRIO - Reinventando o arco e flecha

O arco e flecha já tem seu novo modelo. Será que os inventores acreditam que vale a pena?

As 5 famílias que controlam o mundo

Acredita-se que no Renascimento modelos políticos e econômicos levaram à criação de entidades financeiras que hoje são as corporações mais poderosas do planeta.

No entanto, para além da rede político-empresarial e por trás das corporações, existe um núcleo forte, base do poder hegemônico, que se perpetra quase exclusivamente de modo filial: são as famílias que controlam o mundo.

Os Rothschild: embora muitos afirmem que eles possuem antecedentes quase ancestrais, é possível identificar o começo oficial dessa dinastia em meados do século XVIII, chefiada pelo banqueiro alemão de origem judaica Mayer Amschel Rothschild, chamado pela revista Forbes como “o pai fundador das finanças internacionais”. Desde então, o clã se mantém na cúpula da oligarquia planetária e possui uma influência determinante na Reserva Federal dos EUA, assim como nas finanças britânicas.

Os Rockefeller: este império começa no final do século XIX, quando a consolidação da Standard Oil Company colocou a família à frente de uma indústria petrolífera nascente. John D. Rockefeller, o primeiro da dinastia, foi considerado o homem mais rico da história pela revista Forbes, com uma fortuna equivalente, hoje, a US$ 340 bilhões. A família se perpetuou nos círculos de poder mais ambiciosos e tem influência em praticamente qualquer política mundial.

Os Morgan: também no final do século XIX, John Pierpont Morgan fundou a J.P. Morgan & Company, empresa financeira que protagonizou a história econômica dos EUA e, por consequência, do mundo. Esse banqueiro é considerado o salvador da economia norte-americana ao liderar um movimento de banqueiros para vender títulos e voltar a comprar ouro, evitando, assim, o colapso das reservas nacionais. Desde então, a família Morgan controla a oferta de ouro do seu país.

Os Du-Pont: o economista Pierre Samuel du Pont de Nemours chegou aos EUA em 1799, fugindo da Revolução Francesa. Ele, então, fundou sua empresa, que não demorou muito tempo para se erguer como a principal fornecedora de pólvora do governo, para, mais tarde, monopolizar o mercado de dinamite. Ele forneceu 40% do armamento dos Aliados da Primeira Guerra Mundial. Du Pont também esteve envolvido no Projeto Manhattan, que levou à criação da bomba atômica.

Os Bush: a mais nova família da elite mundial iniciou seu legado com Prescott Sheldon Bush, banqueiro e senador americano que foi acusado, junto com o governo dos EUA, de ter lucrado escandalosamente com a Segunda Guerra Mundial e ter feito grandes negócios com as empresas que financiaram o governo de Adolf Hitler. O  jornal britânico The Guardian realizou uma investigação sobre a teoria.

 


Fonte e imagens: pijamasurf.com , The Guardian 

Imagem destaque: Eric Draper, Diretor de Fotografia e Fotógrafo Pessoal do Presidente George W. Bush [Domínio Público], via Wikimedia Commons

Ideias ridículas que tornaram seus criadores milionários

Alguém já disse que só existem dois tipos de negócios estúpidos: os que não vão para frente e os que não conseguem fazer dinheiro.

E o que importa o que possam pensar de um produto se ele faz sucesso e gera lucros? Hoje, apresentamos algumas das ideias mais absurdas e que fizeram de seus criadores milionários.

Batamanta: tão simples quanto um roupão com mangas... Embora tenha sido tachada e ridicularizada, esta manta causou furor e vende bem até hoje. Mesmo que nem todos admitam, mais de 20 milhões de pessoas a adquiriram somente nos EUA e no primeiro ano de venda.

Bola Koosh (Fluffy): todo mundo teve essas bolas com elásticos como se fossem cabelos – no Brasil ela era chamada de “Fluffy”. Foi uma criação de Scott Stillinger, que, em um belo dia, resolveu inventar uma bola que seus filhos pequenos pudessem pegar com facilidade. Em 1997, a empresa foi comprada por mais de US$ 100 milhões.

Peixe que canta: houve um tempo em que o Big Mouth Billy Bass, Rocky Rainbow Trout, ou seja, o peixe que cantava, era muito popular. No auge do seu sucesso, foi um dos brinquedos mais procurados, e as lojas vendiam centenas por hora.

Shake Weight: a ideia de que se sacudir possa diminuir o peso de alguém não parece plausível, muito menos para os treinadores. No entanto, e apesar de o aparelho ser sugestivo, é um dos presentes mais populares dos EUA.
Imagem: Flickr User: Herrea; Artwork: Shake Weight/Flickr/ [CC BY 2.0], via Wikimedia Commons

Chia Pet: entre as décadas de 80 e 90, todo mundo – pelo menos nos Estados Unidos - tinha um. Embora seja difícil de acreditar, os Chia Pets ainda trazem milhões em lucros para a empresa que o fabrica. Trata-se de um brinqueco de terracota em formado de animal, com sementes de chia dentro. Assim que regadas, a plantinhas cresciam, imitanto o pelo do animal.





Fonte: inc.com 

Imagem destaque: David S. Baker/Shutterstock.com 

Demais imagens: accionpreferente.com

O INVENTOR MILIONÁRIO - Você tem talento para ser um inventor?

Faça o teste e descubra se você tem talento para ser um inventor?

REINVENTANDO A RODA

George e Deanne se unem a empreendedores em busca de revolucionar produtos já bem conhecidos.

George e Deanne se unem a empreendedores em busca de revolucionar produtos já bem conhecidos.

O CÉU É O LIMITE

Deanne e George lidam com suas invenções mais ambiciosas: os óculos de proteção inteligentes e a Wake Wing.

Deanne e George lidam com suas invenções mais ambiciosas: os óculos de proteção inteligentes e a Wake Wing.

INDO ALÉM

George e Deanne trabalham em parceria com dois inventores que enfrentam um duro obstáculo.

George e Deanne trabalham em parceria com dois inventores que enfrentam um duro obstáculo.

O INVENTOR MILIONÁRIO - Estreia: terça, 14 de junho, às 21h

Esta série de seis episódios tem a missão de encontrar grandes invenções que NUNCA foram executadas e lhes dar vida nova. Os melhores engenheiros vão vasculhar o país à procura de ideias surpreendentes que acreditem que possam render muito dinheiro. Eles irão atrás de seus idealizadores para lhes oferecer uma segunda oportunidade de pôr em prática suas ideias e seus sonhos. Os inventores vão receber os recursos e a ajuda de que precisam para fazer seus produtos saírem do conceito à realidade, construindo, testando e aperfeiçoando-os para encarar a maior chance de suas vidas.